Mercado de Santos tenta voltar à vida com supermercado

Protocolo com o grupo Dia é assinado hoje. Câmara espera revitalizar o bairro com obras que devem estar concluídas em seis meses. Comerciantes receiam concorrência

O mercado fecha às 14.00. Mas as lojas que estão no exterior também não se aguentam muito para lá dessa hora. Por falta de clientes, apontam. Resistentes, João Mota e a mulher exploram a Papelaria 22 na praça da entrada do mercado "há 25 anos ou mais". Lamentam a morte lenta que o espaço tem tido e às portas do lançamento de obras só temem que o novo inquilino lhes tire negócio. Dentro de seis meses, um supermercado da cadeia espanhola Dia vai ocupar o interior do mercado. O protocolo de concessão vai ser assinado hoje entre a empresa, a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia das Avenidas Novas.

A requalificação do mercado vai colocar "os comerciantes tradicionais no exterior e liberta o interior para o supermercado, que fica com cerca de 1600 metros quadrados", explica o vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Duarte Cordeiro. As obras vão começar no exterior para depois os comerciantes que estão no interior do mercado possam ser realojados cá fora, libertando o interior para as obras e a instalação do supermercado. Cada uma das fases (interior e exterior) tem 90 dias como prazo limite de execução. Ou seja, o novo mercado do bairro de santos estará concluído em seis meses.

"A nossa expectativa é que o comércio tradicional coexista com o retalhista. Que eles percebam em que medida podem ser complementares para que o mercado funcione como um polo no seu conjunto. Achamos que o mercado com retalhista trará mais segurança, mais pessoas, mais clientes e que será benéfico para os comerciantes tradicionais também", antecipa Duarte Cordeiro.

A obra prevê a reabilitação do mercado, segundo a traça original de 1989, e um investimento de um milhão de euros por parte da cadeia de supermercados. A reabilitação do espaço, que conta com 19 comerciantes, insere-se no Plano Municipal dos Mercados de Lisboa 2016-2020.

A câmara tem lançado projetos de reabilitação de acordo com cada mercado e o bairro em que se insere, sublinha o autarca. Neste caso, "identificou-se que a zona carece de atenção do ponto de vista de regeneração urbana, tinha caído bastante do ponto de vista de oferta para os moradores e a opção limite foi requalificar o mercado para conseguir requalificar o bairro". O objetivo é que o mercado seja "o centro do bairro", aponta Duarte Cordeiro, funcionando "como polo agregador, com uma loja âncora de enorme atração", que vai ser o supermercado.

O espaço exterior vai mudar e foi projeto para funcionar como a praça do bairro. "Com uma cobertura, o arranjo das lojas no exterior, acessibilidade para o mercado ultrapassando as limitações dos degraus, um quiosque, umas árvores. Porque este bairro não tinha nenhum espaço de convívio", explica o vereador.

Para quem aqui faz negócio, apenas há movimento de manhã. Querem ganhar clientes mas duvidam da solução. "É uma incerteza. Ganharmos um hipermercado é uma coisa que do mal o menos, mas acho que para nós seria melhor uma loja do cidadão ou uns correios. Um serviço que não fizesse concorrência", refere João Matos.

Essas foram soluções adotadas para o Mercado 31 de Janeiro e para o do Forno do Tijolo, que também tem um supermercado da cadeia Lidl. Para a autarquia, o objetivo nas reabilitações dos 26 mercados da cidade é sempre apostar em algo que se possa acrescentar ao bairro ou à cidade. O de Alvalade tem um parque infantil e uma zona de refeições e o do Lumiar é exclusivo para produtos biológicos.

Para o Bairro de Santos, a autarquia tem ainda expectativa de que o novo mercado traga emprego para os residentes e crescimento comunitário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.