Médicos e enfermeiro agredidos no hospital de Torres Novas

Familiares de uma doente que morreu após ter tido alta agrediram um vigilante, um médico e um enfermeiro

A morte de uma mulher nas Urgências do Hospital de Torres Novas esteve na origem de diversos distúrbios e agressões a um médico e outros profissionais por parte de familiares da vítima, disse hoje fonte da PSP.

Em declarações à Lusa, o Comissário Jorge Soares, da PSP de Santarém, disse que, "depois da morte da mulher", que ocorreu na sexta-feira, no hospital de Torres Novas, cerca das 21:00, "os familiares juntaram-se e agrediram um vigilante, um médico e um enfermeiro", para além de outros distúrbios nas instalações hospitalares.

"A PSP deslocou meios para o local, incluindo o oficial de serviço, que contiveram a situação", disse Jorge Soares. "Mantemos o dispositivo de reserva, dado que o corpo de intervenção vai manter-se até segunda-feira na unidade hospitalar de Torres Novas", acrescentou.

Contactado pela Lusa, o Conselho de Administração (CA) do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), que engloba as unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, confirmou a "ocorrência de incidentes, com familiares de uma senhora que deu entrada na Urgência da Unidade de Torres Novas, no dia 29 de janeiro, e que faleceu".

Relativamente aos distúrbios, a mesma fonte do CHMT disse que os familiares da vítima "partiram vidros, portas e equipamento diverso", tendo referido que o Conselho de Administração "está, neste momento, a apurar as circunstâncias do ocorrido".

Segundo o CHMT, a mulher, de 54 anos, "foi vista por médico, por volta da hora do almoço, que mandou realizar uma bateria de análises e exames. Após a análise dos mesmos deu-lhe alta. Entretanto, a mulher regressou, cerca de 15 minutos depois, e faleceu no local, após resultarem infrutíferas as tentativas de reanimação por parte dos cardiologistas".

O CAA do CHMT disse ainda à Lusa que, "esta manhã, o Ministério Publico, avaliada a situação, dispensou a realização da autópsia, tendo o corpo já sido entregue à família".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.