Mecenas assegura intervenção na Casa-Museu Anastácio Gonçalves

Vizinhos do número 41, a construir torre, financiam intervenção de três meses

Uma nova entrada, com melhores condições de acesso e um elevador são as mudanças que se preparam na casa-museu Anastácio Gonçalves (CMAG), em Lisboa, após obras de "valorização e modernização", confirma a Direção Geral do Património Cultural (DGPC). Os trabalhos são asseguradas pelos vizinhos do Edifício 41, a torre de 17 andares que está a ser erguida mesmo ao lado. Também está prevista a requalificação dos espaços de exposição e de reserva.

"Este projeto de valorização e modernização da Casa-Museu Anastácio Gonçales decorre de um protocolo de apoio mecenático formalizado entre a DGPC e a Edifício 41 - Promoção Imobiliária e Hotelaria, SA, no âmbito da intervenção da zona envolvente à construção da torre denominada Edifício 41, em Picoas, inserida num plano urbanístico mais alargado concebido pela Câmara Municipal de Lisboa", diz a DGPC, falando da moradia do médico e colecionador Anastácio Gonçalves, projetada por Manuel Joaquim Norte Júnior, prémio Valmor em 1905.

O mecenas da obra é o Edifício 41, que se ocupa da intervenção, explicou o diretor da DGPC, João Carlos Santos, não precisando o total do investimento. "Foi aproveitar a oportunidade com a construção da torre da cidade", diz, referindo-se ao novo edifício. "Havia uma empena que queriam valorizar porque dá para o edifício deles", considera João Carlos Santos

Com o acesso através da praça que vai nascer na avenida 5 de outubro, a Casa-Museu Anastácio Gonçalves ganha uma nova bilheteira e uma loja, "requalificando áreas do museu que eram pouco usadas", explica o arquiteto.

"A intervenção respeitará integralmente as condicionantes museológicas de conservação e valorização do acervo da Casa-Museu Anastácio Gonçalves", refere o comunicado da DGPC. "Também serão valorizados alguns aspetos da casa e do circuito", completa. Entre eles, "uma reserva visível de cerâmica".

"Durante a fase de obra a CMAG permanecerá aberta ao público, à exceção de períodos pontuais que serão atempadamente anunciados", segundo a DGPC. A intervenção deverá estar concluída "até ao final do primeiro semestre", calcula João Carlos Santos.

A Casa-Museu Anastácio Gonçalves, um espaço afeto ao Museu Nacional de Arte Contemporânea, reúne cerca de 3 mil obras de arte (pintura, escultura, mobiliário, ourivesaria), que um dia foram adquiridos por Anastácio Gonçalves (1889-1965), a quem também ser dedicado um núcleo dentro da nova exposição. Em 2017, o espaço recebeu 10462 visitantes, mais 9,5 por cento do que em 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.