Balanço da tempestade: 13 desalojados, um morto e cinco feridos

Já está feito o balanço da passagem da tempestade Ana pelo território nacional, durante a madrugada e manhã desta segunda-feira. A Proteção Civil registou mais de três mil ocorrências

"Entre as consequências mais graves dignas de registo, entre muitas outras, ocorreram cinco vítimas leves e uma vítima mortal devido a queda de árvore, 13 desalojados ou deslocados devido a casas destelhadas e quedas de árvores sobre habitações", disse Luís Belo Costa, Comandante Operacional de Agrupamento Distrital do Centro Sul, citado pela Lusa.

Em conferência de imprensa, o comandante da Proteção Civil explicou que desde o final da tarde de domingo e o início da manhã de segunda-feira registaram-se "um total de 3.187 ocorrências divididas por 1.997 quedas de árvore, 34 movimentos de massa, 370 inundações, 632 quedas de estruturas e 152 limpezas de vias".

Registaram-se ainda problemas na circulação de comboios, em particular na Linha da Beira Alta, devido à quebra de energia elétrica, além de estradas temporariamente cortadas, situações que já se encontram normalizadas.

A passagem da tempestade Ana afetou o território nacional de norte para sul, sobretudo os distritos de Lisboa, Porto, Aveiro, Viseu, Braga, Coimbra, Leiria, Setúbal e Viana do Castelo. Só em Lisboa, registaram-se mais de 500 ocorrências.

Luís Belo Costa adverte que "apesar de a situação estar estável, o estado de alerta especial de nível amarelo continua até às 20:00 de hoje", pelo que recomenda às populações que evitem estar em locais junto a árvores ou zonas arborizadas, "já que foram estas que deram origem às piores consequências".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.