Uma centena de ocorrências no distrito de Santarém, na maioria queda de árvores

A Proteção Civil registou uma centena de ocorrências, a maior parte queda de árvores, no distrito de Santarém durante a noite de domingo e madrugada desta segunda-feira.

O comandante distrital de Operações de Socorro de Santarém, Mário Silvestre, disse à Lusa que o pico das ocorrências no distrito se registou entre as 23:00 e as 24:00 de domingo, tendo sido envolvidos 150 operacionais e 57 meios, entre bombeiros e forças de segurança.

Além das quedas de árvores, a maioria para vias de circulação, que já foram desimpedidas durante a madrugada de hoje, ocorreram algumas inundações e "dois ou três acidentes" rodoviários, todos sem vítimas nem danos maiores, afirmou Mário Silvestre.

Devido à passagem da tempestade Ana pelo território continental, o distrito de Santarém esteve sob alerta laranja entre as 17:00 de domingo e as 07:00 de hoje.

No país registaram-se mais de 1.100 ocorrências relacionadas com a tempestade Ana, a maior parte (789) quedas de árvores, mas também inundações e quedas de estruturas.

A queda de uma árvore provocou uma vítima mortal, uma mulher de 45 anos, em Marco de Canavezes.

Paulo Santos, oficial de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil, disse à Lusa que os distritos mais afetados eram, até às 00:00 de hoje, os do Porto, Braga, Aveiro, Viseu, Viana do Castelo, Coimbra, Leiria, Vila Real e Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.