Uma centena de ocorrências no distrito de Santarém, na maioria queda de árvores

A Proteção Civil registou uma centena de ocorrências, a maior parte queda de árvores, no distrito de Santarém durante a noite de domingo e madrugada desta segunda-feira.

O comandante distrital de Operações de Socorro de Santarém, Mário Silvestre, disse à Lusa que o pico das ocorrências no distrito se registou entre as 23:00 e as 24:00 de domingo, tendo sido envolvidos 150 operacionais e 57 meios, entre bombeiros e forças de segurança.

Além das quedas de árvores, a maioria para vias de circulação, que já foram desimpedidas durante a madrugada de hoje, ocorreram algumas inundações e "dois ou três acidentes" rodoviários, todos sem vítimas nem danos maiores, afirmou Mário Silvestre.

Devido à passagem da tempestade Ana pelo território continental, o distrito de Santarém esteve sob alerta laranja entre as 17:00 de domingo e as 07:00 de hoje.

No país registaram-se mais de 1.100 ocorrências relacionadas com a tempestade Ana, a maior parte (789) quedas de árvores, mas também inundações e quedas de estruturas.

A queda de uma árvore provocou uma vítima mortal, uma mulher de 45 anos, em Marco de Canavezes.

Paulo Santos, oficial de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil, disse à Lusa que os distritos mais afetados eram, até às 00:00 de hoje, os do Porto, Braga, Aveiro, Viseu, Viana do Castelo, Coimbra, Leiria, Vila Real e Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.