Três pessoas desalojadas em Santo Tirso e duas em Gaia

Telhados das habitações ficaram destruídos

Ventos fontes danificaram telhados de uma habitação de Santo Tirso e de outra de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, obrigando um total de cinco pessoas a pernoitar em alojamentos alternativos, disseram fontes autárquicas e da Proteção Civil.

Em Palmeira, Santo Tirso, um telhado em reparação ficou destruído pouco depois das 20:00 de domingo e as duas moradoras da casa, mãe (de 57 anos) e filha (de 32), tiveram de pernoitar em casa de familiares. Fonte da autarquia disse à agência Lusa que a Ação Social Municipal vai contactar as duas mulheres, ainda hoje de manhã, no sentido de procurar uma solução.

Em Vila Nova de Gaia, o mau tempo fez dois desalojados na noite de domingo, devido ao aluimento do telhado da sua habitação, na travessa da Tranqueira, número 290, freguesia de Oliveira do Douro, disse fonte dos Sapadores Bombeiros. Acrescentou que o alerta foi dado às 20:23 de domingo e que as duas pessoas foram já realojadas.

Na própria cidade do Porto, o trânsito esteve cortado em parte da avenida Dom Carlos I por motivos de segurança "relacionados com a agitação marítima", segundo um comunicado da Proteção Civil Municipal.

A situação mais grave relacionada com a tempestade Ana ocorreu ao final da tarde de domingo, em Marco de Canaveses, também no distrito do Porto, com a morte de uma condutora de 45 anos na sequência da queda de uma árvore de grande porte.

Resultaram ainda ferimentos ligeiros num casal que seguia num outro automóvel.

Noutro ponto do Norte, em Mogadouro, distrito de Bragança, a queda de uma árvore de grande porte e de um poste de eletricidade obrigou ao corte, nos dois sentidos, de um troço da EN 221.

Entre outras vias cortadas devido à queda de árvores ou estruturas esteve igualmente a EN 309, no distrito e concelho de Braga.

No distrito de Vila Real, a Proteção Civil registou 92 ocorrências no distrito de Vila Real, em consequência da passagem da tempestade Ana, a maior parte relacionadas com quedas de árvores, inundações e limpezas de via.

Segundo fonte da Proteção Civil, naquele distrito contabilizaram-se 42 quedas de árvores, 18 inundações, oito desentupimentos (valetas), três quedas de estruturas e ainda quatro quedas de cabos da rede eletrifica.

Em consequência da queda de cabos e postes de eletricidade, várias localidades do distrito, incluindo a cidade de Vila Real, estiveram sem luz no domingo à noite.

Esta manhã, a EDP ainda se mantém no terreno a fazer reparações e ainda há situações de falta de luz, como em Tourém, concelho de Montalegre.

Neste concelho, neva em Montalegre, mas sem provocar constrangimentos.

Durante a noite, foi necessário desimpedir algumas estradas devido à queda de elementos e movimentos de terras.

no Alto Minho, e segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro de Viana do Castelo (CDOS) foram registadas desde as 17:00 de domingo, o início do alerta laranja, até às 07:00 da manhã de hoje, 123 ocorrências relacionadas com o mau tempo.

A maioria queda de árvores, quedas de estruturas, inundações e limpeza de vias.

Em todo o país, a Proteção Civil registou durante a madrugada de hoje mais de 3.010 ocorrências relacionadas com o mau tempo, que provocou mais de 1.900 quedas de árvores, 346 inundações e 34 deslizamentos de terras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.