Perto de 200 quedas de árvores no distrito de Viseu, sem vítimas

Perto de 200 árvores caíram no distrito de Viseu até às 07:00 desta segunda-feira devido à passagem da tempestade Ana, mas sem causar vítimas, disse fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro.

Segundo a mesma fonte, desde domingo até às 07:00 de hoje foram registadas 192 quedas de árvores, "mas o número está sempre a aumentar".

Durante a noite, algumas estradas estiveram "pontualmente interrompidas" devido ao corte das árvores, mas ao início da manhã encontravam-se todas desimpedidas, acrescentou.

No total, a Proteção Civil registou durante a madrugada de hoje mais de 3.010 ocorrências relacionadas com o mau tempo, que provocou mais de 1.900 quedas de árvores, 346 inundações e 34 deslizamentos de terras.

De acordo com o comandante Paulo Santos, da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), o mau tempo atingiu o país de Norte a Sul, mas afetou mais os distritos de Lisboa, Porto, Braga, Aveiro, Coimbra e Viseu.

"Esta tempestade que afetou pais de Norte a Sul provocou mais de 1.900 quedas de árvores, 34 movimento de massa [deslizamento de terras], 346 inundações, 551 quedas de estruturas e mais de 150 limpezas de via", disse o oficial de operações da ANPC, num ponto de situação até às 07:30 de hoje.

Quanto ao trânsito, a Proteção Civil não tem conhecimento de qualquer corte de circulação nos itinerários principais, estradas nacionais ou nas principais autoestradas, apenas informação relativa à interdição de acesso ao maciço central da Serra da Estrela.

No entanto, sublinhou o responsável, "é natural que os cidadãos, à medida que vão saindo de suas casas de manhã, venham a encontrar lençóis de água, detritos na via ou alguma árvore", daí que a ANPC aconselhe "o máximo de cuidados na condução".

A tempestade Ana já deixou o território de Portugal continental, registando-se uma diminuição do vento e da chuva forte, disse à Lusa a meteorologista Paula Leitão.

"A depressão a que se deu o nome de Ana já se encontra sob França e a frente fria que lhe estava associada já passou todo o território do continente. A situação de chuva forte e vento forte que se registou no dia de ontem [domingo] já está ultrapassada", adiantou a especialista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com Paula Leitão, Portugal continental está agora sob a influência de uma massa de ar frio.

"A temperatura já está a descer. Às 06:30 já se registavam -1 graus Celsius nas Penhas Douradas e perto de 0 graus na região de Trás-os-Montes. O céu já está com algumas abertas e ainda há aguaceiros, que serão de neve acima dos 800 metros de altitude", disse.

Segundo a meteorologista, os aguaceiros deverão diminuir de intensidade e frequência, prevendo-se para o final da tarde céu pouco nublado ou limpo.

Mais de 9.300 operacionais da Proteção Civil, incluindo bombeiros, elementos do Instituto Nacional de Emergência Médica de Portugal (INEM) e Guarda Nacional Republicana (GNR), estão destacados desde o início de domingo por causa da passagem pelo continente da tempestade Ana.

Ler mais

Exclusivos