Máscaras antipoluição viram acessórios de moda na COP21

"Na China não temos Facebook, mas se tivéssemos teria que se chamar Maskbook porque todos usam a máscara antipoluição"

As máscaras antipoluição foram transformadas em acessórios de moda no projeto internacional "Maskbook" apresentado na Cimeira da ONU para as Alterações Climáticas (COP21), em Paris.

Há máscaras para todos os gostos e estilos: uma tem a inscrição "luxo sustentável" e está decorada com uma pluma cor de laranja, uma mini raposa de plástico e um tecido de veludo rosa, enquanto outra tem uma flor com pétalas azuis, pretas e vermelhas feitas a partir de plástico e de detritos, uma imita um painel solar e outra tem três pequenas hélices a sugerir uma eólica.

Os acessórios estão expostos no 'stand' da "Art of Change 21", uma associação de 21 artistas internacionais que nasceu em 2014 e que criou os projetos Maskbook e Caire Game, explicou à Lusa a brasileira Camille Cherques, encarregada do projeto cultural.

A ideia veio dos 21 membros mas principalmente da artista chinesa Wen Fang, que disse: "Na China, a gente não tem Facebook mas se tivesse teria que se chamar Maskbook porque todos usam a máscara antipoluição".

A especialista em arte e clima referiu que o objetivo é "transformar uma máscara que dá medo" num "símbolo de comunicação super forte" para alertar para a poluição atmosférica.

Desde que foi lançada em setembro a galeria de fotografias 'online' do projeto, a associação recebeu mais de 400 retratos de pessoas de todo o mundo que criaram as suas máscaras - incluindo Nicolas Hulot, enviado especial para o clima do Presidente da República Francesa - mas, para já, não há fotografias oriundas de Portugal, continuou Camille Cherques.

"A gente usa um montão de elementos reciclados, detritos que a gente recuperou na rua ou então em várias lojas que fazem objetos reciclados. Com tecidos, objetos e coisas meio atípicas, as pessoas podem fazer as máscaras e a gente tira um retrato", descreveu a brasileira, acrescentando que na COP21 também têm um atelier para criar as máscaras e tirar as fotografias.

Paralelamente ao pavilhão "Générations climat" no recinto da Cop21 no Parque de Exposições de Le Bourget, o projeto Maskbook vai estar presente na exposição "Solutions COP21" no Grand Palais, no centro de Paris de 4 a 10 de dezembro.

A associação "Art of Change" apresenta, também, na COP21 um jogo online - cairegame.org - lançado há menos de um mês e que "já tem 900 jogadores" que podem "reduzir as emissões de CO2 individualmente através de ações e desafios engraçados que são pedagógicos, que são bons para o planeta e para o clima".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?