Marty McFly no Portugal do futuro: não tinha de se casar para ser pai

Se a personagem de Michael J. Fox viajasse de 1985 até aos dias de hoje no nosso país iria encontrar uma sociedade envelhecida

Para quem nasceu em 1985 o maior desafio numa viagem ao passado seria viver sem internet e sem telemóvel. A facilidade de comunicação e ligação permanente ao mundo são, pois, duas marcas incontornáveis dos dias de hoje e talvez fossem as duas novidades de que Marty McFly mais sentisse falta depois da viagem que o levou de 1985 até 21 de outubro de 2015. Se a viagem da personagem da trilogia Regresso ao Futuro fosse feita em Portugal haveria ainda outras diferenças a assinalar.

Michael J. Fox ruma ao futuro para impedir que o filho se torne numa pessoa pouco simpática. Percebe que está casado com a sua namorada Jennifer, um gesto dispensável no Portugal de hoje, onde metade das crianças nascem fora do casamento e onde cada vez menos os irmãos são filhos do mesmo pai e da mesma mãe. Uma sociedade onde a população idosa já ultrapassou a população jovem (por cada 100 jovens existem 164 idosos, quando em 1985 por cada 100 jovens existiam 50 idosos), conforme sublinha a socióloga Maria João Valente Rosa.

Marty McFly no ano de 2015 de O Regresso ao Futuro

A diretora do portal de estatísticas Pordata lembra, no entanto, que o país - que já é um dos mais envelhecidos do mundo - mudou em muitas outras áreas. Desde logo a adesão à União Europeia. "Há 30 anos ir a Espanha já era uma aventura. Hoje não temos fronteiras na Europa e usamos a mesma moeda." As viagens tornaram-se mais frequentes e mais acessíveis, não só em Portugal, mas em todo o mundo. Os carros podem não ser ainda voadores, como na ficção, mas a população mundial já não passa sem voar. Mais de 3,3 mil milhões fizeram, em 2014, viagens de avião.

A escolaridade dos portugueses também evoluiu de forma bem marcada, como mostram as estatísticas. Já não basta aos jovens saber ler, escrever e contar, precisam de ter licenciatura. A escolaridade obrigatória passou a ser o 12.º ano e não o 6.º como era há 30 anos. Hoje, ser analfabeto é não saber usar um computador. Já que 65% das famílias têm computador com internet em casa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.