Martha, o "cão mais feio do mundo", é "linda" para quem importa

Cadela de 57 quilos ganhou concurso enquanto ressonava sonoramente no placo

Martha, um mastim napolitano de quase 57 quilos, ganhou o prémio de "cão mais feio do mundo", numa competição que decorreu na Califórnia. Mas a "distinção" nada afetou a simpática cadela, que adormeceu assim que subiu ao placo do evento e ressonava sonoramente enquanto o público aplaudia entusiasticamente a sua eleição.

"A Martha pensa que é feia?", perguntou um juiz à dona, no final do evento. "Não", respondeu segura Jessica Burkard, "Ela pensa que é linda. Dizemos-lhe isso todos os dias".

Com um passado de negligência, às mãos de uns donos que chegaram a tentar vendê-la na Craigslist, Martha foi resgatada por uma associação. Operada várias vezes e entregue aos cuidados de uma nova dona, que lhe proporciona uma casa com muito espaço ao ar livre, outros cães e todas as atenções de que precisa, esta cadela não faz ideia do tipo de prémio que conquistou este fim de semana. Mas, mesmo que soubesse, provavelmente não se importaria muito. Primeiro, porque a eleição do "cão mais feio do mundo" integra-se numa iniciativa cujo finalidade é precisamente encontrar uma casa para cães que, como ela, sofreram durante muito tempo. E depois porque, aos olhos de quem lhe importa, ela é afinal a mais bonita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".