Marinha recomenda precaução a quem frequentar as praias na Páscoa

Autoridade Marítima salienta que, nesta altura do ano, as praias não têm nadadores-salvadores, "nem contêm sinalização relativa ao estado do mar"

A Autoridade Marítima aconselhou hoje as pessoas que pretendam frequentar as praias no período da Páscoa a adotarem medidas de segurança, lembrando que não há vigilância nem sinalização sobre o estado do mar.

"Estando a decorrer o habitual período de férias da Páscoa e a possibilidade de ocorrência de condições meteorológicas favoráveis à prática balnear", a Autoridade Marítima recomenda a "todos aqueles que frequentem as praias nesta altura, a adotarem uma cultura de segurança ativa, redobrando os cuidados junto à linha de água".

Em comunicado, a Marinha lembra que, nesta altura do ano, as praias não têm nadadores-salvadores, "nem contêm sinalização relativa ao estado do mar".

Para prevenir acidentes, a Marinha deixam alguns conselhos, como vigiar as crianças permanentemente e não as deixar brincar junto da linha de água.

Recomenda ainda as pessoas a respeitarem "um intervalo de três horas após uma refeição normal, antes de ir a banhos" e, "em caso de dúvida relativamente ao estado do mar", não entrar na água.

Há autarquias que estão a colocar vigilância nas praias durante as miniférias da Páscoa, como é o caso da Câmara Municipal de Faro que realizou um acordo com a Associação Humanitária de Nadadores Salvadores de Faro local para garantir a segurança dos visitantes.

"Tendo em conta que esta zona balnear tem sido um dos destinos favoritos na época pascal, e prevendo-se uma considerável afluência durante o fim de semana prolongado, torna-se imperativo garantir a segurança" no local, explica a autarquia em comunicado.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.