Marchas de Lisboa e casamentos com milhares nas ruas

Hoje há festa até de madrugada. Segurança e transportes reforçados

Milhares de lisboetas e de visitantes nacionais e estrangeiros prometem encher hoje a Avenida da Liberdade e os bairros populares, numa véspera de feriado de Santo António que tradicionalmente é um dos pontos altos de um mês de festividades na cidade, que começa a 1 de junho e termina a 1 de julho. Os destaques do dia serão, como habitualmente, os Casamentos de Santo António e as Marchas Populares, na Avenida da Liberdade.

Os desfiles das marchas arrancam pelas 21.00, na Avenida da Liberdade. Madragoa, Benfica, Carnide, Alto do Pina, Penha de França, Campo de Ourique, Bica, Ajuda, Castelo, São Vicente, Mouraria, Santa Engrácia, Alcântara, Marvila, Bela Flor/Campolide, Belém, Bairro Alto, Graça e Olivais tentarão conquistar o troféu a Alfama, vencedora de 2016.

Ao final da manhã a festa é outra: 16 casais aproveitam a véspera de Santo António para darem o nó, numa cerimónia distribuída por dois momentos. Pelas 11.30, nos Paços do Concelho, os noivos casam pelo civil, seguindo-se, às 14.00, a união religiosa na Sé Catedral de Lisboa. As cerimónias incluem ainda um desfile de automóveis antigos, que levarão os casais para o copo-d"água, na Estufa Fria.

Neste ano, como o DN noticiou no sábado, a PSP tomou medidas de reforço da segurança, quer no recinto das marchas quer nos arraiais espalhados pelos vários bairros da cidade. Equipas cinotécnicas farão rastreios na Avenida da Liberdade, onde foram também colocados blocos de betão para impedir o acesso de veículos ao espaço delimitado. A intenção é eliminar qualquer risco de as festas de Lisboa serem palco de uma ataque com automóvel semelhante aos que ocorreram em países como a França e o Reino Unido. Nos bairros históricos, como Alfama e Mouraria, não serão colocada estas barreiras - até porque o acesso de automóvel já não é possível - mas está previsto o reforço da presença de forças de segurança, incluindo de elementos à paisana da Investigação Criminal da PSP.

Com os acessos condicionados, os transportes públicos têm um reforço, nomeadamente a Linha Azul do Metro (entre Santa Apolónia e Reboleira), que funcionará ininterruptamente durante 24 horas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.