Manuais oferecidos pelo Estado representam 6% do necessário

As famílias pouparam cerca de 30 euros, em média, no 1.º ano do 1.º ciclo, refere barómetro da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Os manuais escolares oferecidos pelo Estado ou pelas autarquias representam apenas 6% do total dos livros necessários, segundo o barómetro da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, que apela ao alargamento desta medida aos restantes anos de escolaridade.

"Como consequência da política implementada no corrente ano letivo de manuais gratuitos para o 1º ano do 1º ciclo, as famílias pouparam cerca de 30 euros, em média, face a 2015, gastando este ano cerca de 37 euros", refere o Barómetro Manuais Escolares promovido pela associação.

Para o primeiro ano do primeiro ciclo, as famílias tiveram que comprar em média menos um manual em comparação com o ano letivo passado, adianta o estudo, observando que "a oferta se limita aos manuais, não abrangendo livros de exercícios".

Alguns pais disseram que preferiram comprar os manuais, uma vez que os teriam de devolver no final do ano.

O inquérito aponta também que, no primeiro ciclo, não é possível reutilizar manuais escolares porque os alunos escrevem nos próprios livros "com muita força e os professores corrigem a caneta".

Considerando todo o ciclo de estudos, O Barómetro Manuais Escolares concluiu que o valor médio gasto por filho, no ano letivo 2016/17, foi de 123 euros, valor inferior ao do ano anterior, de 131 euros.

"É no terceiro ciclo (7º, 8º e 9º anos de escolaridade) que as famílias enfrentam maiores encargos, com um montante gasto de cerca de 160 euros por filho", refere o inquérito que decorreu no passado mês de novembro e envolveu 1.013 alunos.

O maior encargo médio registou-se no 11º ano de escolaridade, com 182 euros, enquanto no ano de 2015/16 os maiores encargos se tinham sentido no 9º e 10º anos, com 203 e 221 euros, respetivamente.

"Quanto à reutilização de manuais escolares, o número médio de manuais reutilizados é de apenas um, tal como no ano passado. Somente no 3º ciclo esse número sobe para três", sublinha o estudo.

Em média, os alunos necessitam de sete a oito manuais em cada ano letivo, sendo utilizados, em média, cinco a seis manuais no primeiro ciclo, nove a dez no segundo, 10 a 11 no terceiro e seis a sete manuais no secundário;

A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN) apela ao alargamento do apoio aos restantes anos de escolaridade e à inclusão dos livros de exercícios.

Para a APFN, "é urgente" a adoção de boas práticas de reutilização, como a proibição de escrita nos manuais ou livros de exercícios, permitindo aos bancos de manuais escolares cumprirem a sua função.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.