Mais um português na Santa Sé, mas país perde influência

Nomeação de Pedro Barbas Homem para um lugar de consultoria poderia indiciar o aumento da importância de Portugal na Cúria Romana. Nada mais errado

Dezasseis homens e uma mulher integram a curta lista de portugueses que desempenham funções em organismos pontifícios, depois de ontem Pedro Barbas Homem ter sido nomeado consultor da Congregação para a Educação Católica. O que quer dizer que nem o número é o que muitos responsáveis desejariam nem o país tem a importância que já teve em outros tempos, quando Portugal era um império com importância na missionação católica.

O que se passa em alguns setores importantes da Cúria Romana revela precisamente a perda da importância de Portugal e da língua portuguesa. Em março, por exemplo, a Congregação para a Causa dos Santos anunciou que deixaria de ter o português como língua oficial. Apesar dos perto de 90 processos de canonização de portugueses (32) e brasileiros (55) que ali correm, e apesar dos protestos dos bispos brasileiros e portugueses, para já a decisão não voltou atrás.

Outro exemplo é que na secção portuguesa da Rádio Vaticana se passou de dois portugueses - um dos quais responsável do programa nesta língua - para nenhum quadro efetivo. Também o jornal L"Osservatore Romano deixou de ter há muito um diretor de língua portuguesa para a edição semanal na mesma língua.

Periodicamente também se verificam problemas a nível das traduções dos textos oficiais. Um dos exemplos mais recentes e mais graves deu-se há quase três anos: na Alegria do Evangelho, a sua primeira exortação apostólica, o Papa Francisco falava da "violação" da mulher a propósito do aborto; em português (e, neste caso, também em italiano, francês e alemão) tal referência deu lugar à "violência sobre a mulher", alterando e desvirtuando substancialmente a frase do Papa.

"Não é fácil para os bispos terem quem possa enviar para Roma", disse ao DN um padre português que trabalhou já em Roma. "O português ainda mantém alguma importância por causa do Brasil", acrescenta outro. Mas a falta de clero e o desejo de manter os melhores padres a trabalhar nas suas dioceses leva os bispos a ver com reticências a possibilidade de trabalho em Roma.

Um outro eclesiástico conta que enquanto o cardeal Saraiva Martins esteve na Congregação para a Causa dos Santos insistia muito com os bispos de Portugal para que houvesse portugueses em Roma. Os poucos resultados dessa insistência permitiram que o número de portugueses em instituições da Santa Sé passasse de menos de uma dezena para os atuais 17 - ainda poucos, observam os vários comentadores ouvidos pelo DN.

Portugueses em lugares de destaque são o chefe do protocolo do Papa, José Bettencourt, padre luso-canadiano; o atual reitor da Universidade Pontifícia Gregoriana (gerida pelos jesuítas, mas na qual o Vaticano tem sempre uma palavra a dizer), padre Nuno Gonçalves; e o número dois do cardeal Ravasi no Conselho Pontifício para Cultura, o bispo Carlos Azevedo, que, enquanto historiador, tem continuado a publicar trabalhos de historiografia portuguesa (o último dos quais é Estudos de Iconografia Cristã). No mesmo organismo da Cultura, como conselheiro, está o padre Tolentino Mendonça, poeta e vice-reitor da Universidade Católica. Com as mesmas funções, mas nas Comunicações Sociais, está o bispo auxiliar de Lisboa, Nuno Brás. O conselheiro eclesiástico da embaixada portuguesa junto da Santa Sé é o padre Fernando Matos, de Vila Real.

O "tradutor" das catequeses do Papa às quartas-feiras é Ferreira da Costa, que trabalha na Secretaria de Estado. Saturino Gomes, membro da Comissão de Liberdade Religiosa, é auditor do Tribunal da Rota Romana, enquanto o também poeta Mário Rui Oliveira está no Tribunal da Assinatura Apostólica, onde aprecia pedidos de nulidade matrimonial. O padre António Manuel Saldanha, dos Açores, está na Congregação para a Causa dos Santos; José Caldas, reitor do Colégio Pontifício Português, trabalha na Congregação para a Educação Católica; José Manuel Ribeiro, de Bragança, está na Congregação para o Culto Divino; e Agostinho Borges, da diocese de Vila Real, é o reitor da Igreja de Santo António dos Portugueses, em Roma, que integra a rede de instituições do Ministério dos Negócios Estrangeiros. A única mulher, Lurdes Correia Fernandes, faz parte do Comité de Ciências Histórias do Vaticano.

A lista completa-se com os cardeais eméritos: Manuel Monteiro de Castro teve uma passagem fugaz pelo cardinalato; Saraiva Martins, além de ter acelerado alguns processos de canonização pendentes - nomeadamente o dos videntes de Fátima e de Nuno Álvares Pereira - ficou conhecido sobretudo pelas suas capacidades de gestão na Universidade Urbaniana, da qual foi reitor.

Jornalista do religionline.blogspot.pt

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.