Mais pequeno e ágil. Assim é a nova versão do robô Atlas

Arruma caixas, apanha volumes do chão e caminha em superfícies instáveis.

É uma grande evolução relativamente à primeira versão do Atlas, lançada há três anos pela Boston Dynamics, agora propriedade da Alphabet, ou seja, da Google. O robô foi melhorado e, mostra um vídeo hoje divulgado, está muito mais ágil.

O Atlas, que mede 1,75 metros e pesa 81 quilos - portanto, o equivalente ao ser humano -, está muito mais independente e bonito.

O design não é tão rústico, mas o que chama mesmo a atenção é aquilo que este robô é capaz de fazer. Caminha em superfícies tão instáveis como a neve, arruma caixas em prateleiras, apanha volumes do chão (até quando o homem o atrapalha e as desvia do seu caminho) e consegue levantar-se quando é empurrado.

A Boston Dynamics explica que o Atlas tem sensores espalhados pelo corpo que lhe permitem manter o equilíbrio e outros na cabeça, que lhe dão a capacidade de evitar obstáculos.

Este robô está desenhado para, no futuro, explorar zonas perigosas, como destroços em situações de catástrofes e está cada vez mais próximo da sua versão definitiva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.