Mais de metade dos portugueses já têm boletim de vacinas digital

Boletim pode ser consultado online pelos utentes e por médicos e enfermeiros do SNS

Mais de metade dos portugueses têm já o seu boletim de vacinas digital, que pode ser consultado 'online' e possibilita a médicos e enfermeiros aceder à vacinação do utente em todo o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) adiantou à agência Lusa que já foram migrados para uma base de dados nacional os boletins de vacinas de mais de metade da população.

Henrique Martins espera ter concluído todo o processo até outubro, indicando que os serviços se estão a esforçar para que o processo esteja terminado ainda um pouco mais cedo, para coincidir com o início do ano letivo.

Com o registo eletrónico da vacinação, o boletim de vacinas passa a poder ser consultado 'online' pelo cidadão, desde que esteja registado na área do cidadão do Portal do SNS. Até ao momento, há cerca de 1,6 milhões de utentes inscritos.

Também médicos e enfermeiros podem aceder a esse registo eletrónico das vacinas em qualquer unidade do SNS.

Numa urgência, por exemplo, pode ser fundamental um médico saber se o doente tem a vacina do tétano em dia.

Este registo eletrónico também visa permitir que o utente faça a sua vacina em qualquer centro de saúde do país.

A migração de todos os dados para uma base nacional é uma tarefa complexa, explica o presidente dos SPMS, porque envolve muitos boletins de vacina, que estavam registados em sistemas antigos, ao que acresce o facto de muitos portugueses terem vacinas registadas em mais do que um centro de saúde, dado que ao longo da vida foram mudando de local de residência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.