Mais de dois mil utentes queixam-se à Deco dos transportes públicos

Por causa dos atrasos, os utentes perderam cerca de 3 100 horas de tempo familiar e laboral

Mais de dois mil utentes apresentaram queixa à Deco devido a atrasos, cancelamentos e supressões nos transportes públicos, com a linha de Sintra a registar o maior número de comboios suprimidos.

Entre 11 de fevereiro e 19 de setembro a Deco recebeu 2 325 reclamações relativamente aos transportes públicos, adiantou a coordenadora do Gabinete de Apoio ao Consumidor, Ana Sofia Ferreira.

Por causa destes atrasos, os utentes perderam cerca de 3.100 horas de tempo familiar e laboral.

"As principais reclamações são relativas ao transporte rodoviário, que tem mais de 60% das reclamações. Depois, temos o ferroviário, com mais de 17%, e o Metropolitano com mais de 14%", disse.

Numa altura em que decorre a Semana Europeia da Mobilidade, a responsável salientou que os transportes rodoviário, ferroviário e metropolitano são "os mais reclamados", sendo que a maioria das queixas diz respeito à Área Metropolitana de Lisboa.

"As principais reclamações são relativas a atrasos, a cancelamentos, à diminuição e supressão de linhas de percurso e horários. Só estes três fatores representam mais de 50% das queixas dos consumidores", adiantou.

De acordo com Ana Sofia Ferreira, têm vindo a aumentar as reclamações relativas à higiene, conforto e qualidade do material circulante, mas também das gares, estando estas últimas muitas vezes relacionada com a falta de manutenção das casas de banho, das escadas rolantes e de elevadores que não funcionam.

Para conhecer melhor a situação, salientou a coordenadora, a Deco decidiu verificar a pontualidade e a regularidade dos comboios suburbanos.

"Durante 10 dias úteis, em maio deste ano, controlámos comboios suburbanos que circularam em todas as linhas de Lisboa, Porto e Coimbra, com destino a estas cidades e com hora prevista de chegada entre as 07:00 e as 10:30", explicou.

Segundo Ana Sofia Ferreira, foram verificados 170 comboios por dia, num total de 1.700. As linhas de Cascais e Sintra foram as que tiveram pior desempenho, afirmou.

"O que concluímos é que existiram alguns atrasos e algumas supressões de carruagens. Verificámos que a linha de Cascais foi a que apresentou mais atrasos, mas a de Sintra foi a que viu mais comboios suprimidos. Em 10 dias, Sintra viu 12 comboios suprimidos à hora de ponta", disse.

A coordenadora do Gabinete de Apoio da Deco sublinhou que durante os 10 dias, as anomalias ou avarias das composições e problemas de infraestruturas foram as principais causas verificadas.

"Estas situações não podem continuar a ser meros constrangimentos na vida dos passageiros, que registam uma perda de cerca de 3.100 horas de tempo familiar e laboral, em todo o país, com larga incidência na Área Metropolitana de Lisboa", declarou.

Ana Sofia Ferreira salientou também que entre 11 de fevereiro e 19 de setembro mais de 6.700 consumidores já se inscreveram na Plataforma www.queixasdostransportes.pt e assinaram a Carta dos Direitos dos Passageiros de Transporte Público Coletivo proposta pela associação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".