Mais 18 mil voos cancelados e suspensa uma ligação a Faro

Empresa irlandesa prolonga decisão de suspender ligações, agora de novembro a março de 2018. São afetados 400 mil passageiros

O planeamento de férias dos pilotos voltou a ser a justificação da empresa de aviação low cost irlandesa Ryanair para cancelar mais 18 mil voos, afetando 400 mil passageiros, entre novembro e o final de março de 2018. Entre as implicações está a suspensão de 34 rotas no período referido, onde se inclui a ligação Newcastle-Faro.

A companhia reconhece ainda que nesses cinco meses o crescimento do tráfego seria mais lento do que o esperado: as estimativas apontavam para uma subida de 9%, que agora foi ajustada para 4%. Ou seja, dos projetados 131 milhões de passageiros previstos, na realidade devem utilizar os aviões da companhia 129 milhões, o que, mesmo assim, diz ser uma subida de 7,5% em relação a 2016.

Esta decisão é conhecida uma semana depois de a empresa ter suspendido dois mil voos até final de outubro - afetando pouco mais de 300 mil pessoas. No momento desse anúncio, o presidente executivo da Ryanair, Michael O"Leary, justificou o cancelamento com um mau planeamento das férias dos pilotos. Erro que levou a indemnizar os passageiros que já tinham as viagens marcadas e não as quiseram remarcar num total de 25 milhões de euros. No caso de Portugal, e segundo a Deco - Associação de Defesa dos Consumidores, foram apresentadas 322 queixas, tendo a Ryanair pago aos passageiros a indemnização devida.

Menos aviões

Num longo comunicado, a empresa adianta que no período de inverno (novembro a março de 2018) vai operar com menos 25 aviões, em 400, e que em abril serão menos 10, em 445 aeronaves disponíveis. A Ryanair garante que serão afetados 18 mil voos num total de 800 mil anuais que cumpre.

No comunicado a que o DN teve acesso, a companhia frisa que os voos dos 99% de passageiros que não serão afetados por esta decisão agora não ficarão em risco de ser adiados. O presidente executivo garantiu que a todos os passageiros afetados por esta segunda decisão foi "oferecido um voucher de 40 euros, ou 80 em caso de viagens de ida e volta, para que possam voar na companhia entre outubro e março de 2018".

Pilotos em reuniões

O número de pilotos que a empresa tem disponível tem sido um dos temas em discussão desde que foi anunciado o primeiro cancelamento. Michael O"Leary tem sempre garantido que a empresa tem 4200 pilotos, para 400 aviões e que não tem existido uma saída de pessoal para outras empresas.

Porém, de acordo com um piloto contactado pelo DN, e que pediu o anonimato, as tripulações dos vários países estão a manter reuniões com os respetivos sindicatos - no caso português o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil - para terem apoio jurídico num eventual futuro processo contra a empresa irlandesa para reivindicar melhores condições de trabalho.

Ao mesmo tempo que anunciou a decisão de cancelar voos, a Ryanair adiantou que abandonou os planos para comprar a Alitalia.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.