Maioria dos portugueses já só usa o cartão para pagar contas do dia-a-dia

Num inquérito efetuado para a Visa sobre as formas de pagamento é revelado que usar cartões de débito e crédito faz parte da rotina. Deco reconhece que há cada vez mais pessoas a usá-los, mas alerta para os perigos

A maioria dos portugueses já só usa o cartão, de débito ou crédito, para pagar as compras diariamente. Segundo um documento da Visa, a que o DN teve acesso, 64% das pessoas que responderam a um inquérito online faz os pagamentos somente com recurso a esse meio. Percentagem que sobe para 68% na faixa etária dos 36 aos 45 anos.

Esta tendência para um uso frequente - 91% dos inquiridos garantiram que não saem de casa sem cartões de pagamento - é confirmada pelos dados revelados no início do ano pelo Banco de Portugal. No seu Relatório dos Sistemas de Pagamentos 2016, o banco central refere que a "utilização de instrumentos de pagamentos eletrónicos continuou a aumentar". E justifica a subida com o facto de as "operações realizadas através da rede de multibanco, que representam 86% do volume de pagamentos processados no SICOI [Sistema de Compensação Interbancária], aumentaram 6,7% em valor, para 106 mil milhões de euros. As compras, em particular, cresceram 9% em valor, acompanhando a evolução do consumo privado em Portugal".

Este aumento de compras e de uso dos cartões - dos inquiridos 51% disseram usar preferencialmente o cartão de débito, 36% pagam em dinheiro e 13% com o documento de crédito - preocupa a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.

Confirmando que há um aumento na utilização dos cartões em detrimento de dinheiro físico, Natália Nunes referiu ao DN que essa situação faz que as pessoas "percam a noção dos custos dos bens". A responsável pelo gabinete de apoio a sobre-endividados da Deco dá um exemplo do efeito psicológico dessa situação: "Quando se está a pagar num supermercado, se usarmos notas e moedas temos a noção do dinheiro a sair da nossa carteira e a entrar na caixa registadora. Mas se utilizarmos o cartão nem nos apercebemos do valor que está a sair da conta."

Natália Nunes lembra que os maiores problemas que as famílias enfrentam são os cartões de crédito. "É a questão da gestão do crédito. São os cartões de crédito aqueles que têm muito incumprimento. Muitas pessoas têm, mas nem sabem como se usam. Nem sabem muito bem como vão pagar aquilo que estão a usar", frisa.

21 euros na carteira

O inquérito da Visa mostra qual a relação dos portugueses com as formas de pagamento e os locais onde mais utilizam o dinheiro físico. Uma das conclusões é que o valor que, em média, se tem na carteira é de 21 euros. Dinheiro com que pagarão compras em cafés (para 88% dos inquiridos, ver info), máquinas de café e comida, transportes públicos, cabeleireiros, táxis, estacionamentos ou lojas de comida - em todos estes itens a preferência é para o pagamento com notas ou moedas. Ou seja, este tipo de pagamento está associado a valores que rondarão os dez euros. Do lado oposto, os cartões reinam, por exemplo, nas compras nos grandes retalhistas (88% das respostas, ver info), lojas de roupa e calçado, bombas de gasolina, supermercados.

Usar o sistema contactless

O estudo a que o DN teve acesso foca ainda o uso do sistema contactless - a utilização do cartão bastando aproximá-lo do terminal, evitando assim o uso do código pessoal, mas tendo 20 euros como valor máximo de pagamento.

Uma tecnologia cujo uso está a aumentar, o que também ajuda à subida do uso dos cartões no dia--a-dia, como sublinha a country manager da Visa em Portugal, Paula Antunes da Costa. Para já, e de acordo com os dados da Visa, 29% dos inquiridos garantiram utilizar o sistema e os locais onde é mais usado são os supermercados e os grandes retalhistas. Uma grande parte das pessoas que responderam ao inquérito adiantou que gostaria de poder pagar assim nos transportes públicos, postos de abastecimento, bares, cafés, restaurantes e parques de estacionamento e portagens.

Um novo modo de evitar pagar com dinheiro com o qual, para as pessoas mais velhas, poderá ser difícil de lidar, como frisou ao DN Natália Nunes. "Para os jovens não representa qualquer problema. Eles estão habituados a esta nova forma de se relacionar com o dinheiro. No entanto, para as pessoas com mais idade isso pode ser um problema e, até, levar ao descontrolo", alerta a responsável pelo gabinete de sobre-endividados da Deco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)