Maioria dos portugueses já só usa o cartão para pagar contas do dia-a-dia

Num inquérito efetuado para a Visa sobre as formas de pagamento é revelado que usar cartões de débito e crédito faz parte da rotina. Deco reconhece que há cada vez mais pessoas a usá-los, mas alerta para os perigos

A maioria dos portugueses já só usa o cartão, de débito ou crédito, para pagar as compras diariamente. Segundo um documento da Visa, a que o DN teve acesso, 64% das pessoas que responderam a um inquérito online faz os pagamentos somente com recurso a esse meio. Percentagem que sobe para 68% na faixa etária dos 36 aos 45 anos.

Esta tendência para um uso frequente - 91% dos inquiridos garantiram que não saem de casa sem cartões de pagamento - é confirmada pelos dados revelados no início do ano pelo Banco de Portugal. No seu Relatório dos Sistemas de Pagamentos 2016, o banco central refere que a "utilização de instrumentos de pagamentos eletrónicos continuou a aumentar". E justifica a subida com o facto de as "operações realizadas através da rede de multibanco, que representam 86% do volume de pagamentos processados no SICOI [Sistema de Compensação Interbancária], aumentaram 6,7% em valor, para 106 mil milhões de euros. As compras, em particular, cresceram 9% em valor, acompanhando a evolução do consumo privado em Portugal".

Este aumento de compras e de uso dos cartões - dos inquiridos 51% disseram usar preferencialmente o cartão de débito, 36% pagam em dinheiro e 13% com o documento de crédito - preocupa a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.

Confirmando que há um aumento na utilização dos cartões em detrimento de dinheiro físico, Natália Nunes referiu ao DN que essa situação faz que as pessoas "percam a noção dos custos dos bens". A responsável pelo gabinete de apoio a sobre-endividados da Deco dá um exemplo do efeito psicológico dessa situação: "Quando se está a pagar num supermercado, se usarmos notas e moedas temos a noção do dinheiro a sair da nossa carteira e a entrar na caixa registadora. Mas se utilizarmos o cartão nem nos apercebemos do valor que está a sair da conta."

Natália Nunes lembra que os maiores problemas que as famílias enfrentam são os cartões de crédito. "É a questão da gestão do crédito. São os cartões de crédito aqueles que têm muito incumprimento. Muitas pessoas têm, mas nem sabem como se usam. Nem sabem muito bem como vão pagar aquilo que estão a usar", frisa.

21 euros na carteira

O inquérito da Visa mostra qual a relação dos portugueses com as formas de pagamento e os locais onde mais utilizam o dinheiro físico. Uma das conclusões é que o valor que, em média, se tem na carteira é de 21 euros. Dinheiro com que pagarão compras em cafés (para 88% dos inquiridos, ver info), máquinas de café e comida, transportes públicos, cabeleireiros, táxis, estacionamentos ou lojas de comida - em todos estes itens a preferência é para o pagamento com notas ou moedas. Ou seja, este tipo de pagamento está associado a valores que rondarão os dez euros. Do lado oposto, os cartões reinam, por exemplo, nas compras nos grandes retalhistas (88% das respostas, ver info), lojas de roupa e calçado, bombas de gasolina, supermercados.

Usar o sistema contactless

O estudo a que o DN teve acesso foca ainda o uso do sistema contactless - a utilização do cartão bastando aproximá-lo do terminal, evitando assim o uso do código pessoal, mas tendo 20 euros como valor máximo de pagamento.

Uma tecnologia cujo uso está a aumentar, o que também ajuda à subida do uso dos cartões no dia--a-dia, como sublinha a country manager da Visa em Portugal, Paula Antunes da Costa. Para já, e de acordo com os dados da Visa, 29% dos inquiridos garantiram utilizar o sistema e os locais onde é mais usado são os supermercados e os grandes retalhistas. Uma grande parte das pessoas que responderam ao inquérito adiantou que gostaria de poder pagar assim nos transportes públicos, postos de abastecimento, bares, cafés, restaurantes e parques de estacionamento e portagens.

Um novo modo de evitar pagar com dinheiro com o qual, para as pessoas mais velhas, poderá ser difícil de lidar, como frisou ao DN Natália Nunes. "Para os jovens não representa qualquer problema. Eles estão habituados a esta nova forma de se relacionar com o dinheiro. No entanto, para as pessoas com mais idade isso pode ser um problema e, até, levar ao descontrolo", alerta a responsável pelo gabinete de sobre-endividados da Deco.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.