MAI diz que "tudo será apurado" no caso de mulher morta durante perseguição policial

Mulher morreu depois de a viatura em que seguia ter sido confundida com uma outra envolvida num assalto a uma caixa multibanco, em Almada

O ministro da Administração Interna assegurou hoje que "tudo será apurado" em relação ao incidente de quarta-feira que culminou com a morte de uma mulher atingida por disparos efetuados pela PSP, durante uma perseguição policial em Lisboa.

"Aquilo que é fundamental é que haja uma resposta a uma situação decorrente de um número significativo de assaltos a ATM. A circunstância infeliz ontem [quarta-feira], verificada no quadro de uma perseguição, está neste momento a ser investigada pela Inspeção Geral da Administração Interna [IGAI], pelas autoridades judiciárias, pelo Ministério Público, no quadro das suas competências próprias, e tudo será apurado", disse Eduardo Cabrita.

"Determinei de imediato a intervenção da IGAI e respeitaremos e teremos em atenção as conclusões, mas sabendo que é fundamental a mobilização de todas as forças de segurança, coordenadas numa resposta a fenómenos que têm atingido uma dimensão que exige uma resposta coordenada", acrescentou o ministro, que falava aos jornalistas depois de acompanhar um exercício de segurança ferroviária em Coina, no distrito de Setúbal.

Eduardo Cabrita referiu ainda que o governo está a "reforçar os mecanismos de coordenação entre todas as forças e serviços de segurança relativamente à situação de incidentes em ATM"

Relativamente à circunstância concreta de ontem (quarta-feira), ela será inteiramente averiguada

A mulher morreu depois de a viatura em que seguia ter sido confundida com uma outra envolvida num assalto a uma caixa multibanco em Almada. Os assaltantes colocaram-se em fuga, levando as autoridades a iniciar uma perseguição, que atravessou a Ponte 25 de Abril e chegou à Rotunda do Relógio, junto ao aeroporto de Lisboa.

Em comunicado divulgado na quarta-feira, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) refere que, por volta das 03:35 do mesmo dia, na zona da Encarnação, Lisboa, foi detetada por elementos policiais "uma viatura que aparentava corresponder às características da viatura suspeita, cujo condutor desobedeceu à ordem de paragem".

"Esta viatura, durante a fuga, tentou atropelar os polícias, que tiveram de afastar-se rapidamente para não serem atingidos e, em ato contínuo, os polícias foram obrigados a recorrer a armas de fogo. Mais à frente, a viatura voltou a desobedecer à ordem de paragem por outra equipa de polícias, tendo sido intercetada pouco tempo depois", relata o comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.