Estes lençóis reduzem o risco de asfixia em recém-nascidos

A criação "SafetyBabyBed" impede os bebés de deslizarem na cama ou puxarem os lençóis para cima da cabeça

Uma mãe de dois filhos desenvolveu, com o apoio da Universidade do Minho, um sistema de lençóis que "reduz o risco de asfixia em recém-nascidos durante o sono", revelou hoje a academia.

Em comunicado enviado à Lusa, a universidade minhota explica que Mónica Ferreira, que "amadureceu" o conceito no Laboratório de Ideias de Negócio e no Laboratório de Empresas da TecMinho, criou o "SafetyBabyBed" para impedir os bebés de deslizarem na cama ou puxarem os lençóis para cima da cabeça e refere que "20% das crianças vítimas de morte súbita são encontradas com a cabeça coberta por roupa de cama".

Segundo a Universidade do Minho, a ideia surgiu depois de a criadora daqueles lençóis "ter sido alertada pelos profissionais de saúde sobre o risco de sufocamento de bebés provocado pela roupa de cama e por ter conhecimento de situações de susto ocorridos com pessoas próximas".

Mónica Ferreira explica no texto que "sabe-se que os lactentes, nos primeiros meses de vida, não têm ainda bem desenvolvido a perceção da obstrução e os reflexos de defesa", pelo que o objetivo da solução desenvolvida é "proporcionar aos bebés e aos pais um sono mais tranquilo, diminuindo drasticamente o risco de abafamento".

A academia minhota destaca o "design único que impede o bebé de deslizar para baixo dos lençóis, graças a um sistema de retenção/segurança que é ajustável consoante o crescimento e amovível a qualquer momento".

O modelo de lençóis integra ainda um fecho adaptado "para a criança não se destapar durante a noite, mantendo a temperatura ideal".

O "SafetyBabyBed", adianta a academia minhota, está em fase final de patenteamento, tendo sido já premiado com o 1.º Prémio do programa "Novas Empresas Tecnológicas Têxteis".

O projeto tem contado com o apoio da TecMinho (interface universidade-empresa da Universidade do Minho), do Serviço de Pediatria e Neonatologia do Hospital de Guimarães e do CITEVE - Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.