Lusodescendente de 13 anos morre na Irlanda vítima de jogo online

O adolescente, filho de uma portuguesa, terá morrido por asfixia por estar a fazer um jogo que encontrara na internet

Conor de Matos Wilmot tinha 13 anos e foi encontrado morto na passada quinta-feira, na propriedade da família em Clare, Irlanda. O adolescente, filho de uma portuguesa, terá morrido por asfixia por estar a fazer um jogo que encontrara na internet, disse o pai à imprensa irlandesa.

Segundo Greg Wilmot, pai do adolescente, Conor foi vítima de "um acidente estúpido de adolescentes que acabou mal" e desmentiu que o filho estivesse a participar no jogo Baleia Azul, que tem como desafio último o suicídio dos participantes. As autoridades estão, porém, a analisar o computador de Conor para perceber em que tipo de jogos o jovem estaria a participar.

Ao Irish Times, Greg Wilmot garantiu que o filho não estava a ser vítima de bullying ou de assédio e que não terá tido intenção de se suicidar. "As pessoas precisam de saber isto, porque faz uma enorme diferença saber que foi um acidente estúpido de adolescentes e não o facto de ele estar infeliz", sublinhou, descartando eventuais problemas do foro psiquiátrico que pudessem estar na origem da morte de Conor.

Segundo o pai, Conor era um jovem "brilhante", muito popular entre os colegas e um jogador de râguebi talentoso. "Do que sabemos, não foi a primeira vez que ele o fez e desta vez não conseguiu safar-se", frisou, referindo-se ao "jogo de asfixia" que é popular na internet entre adolescentes.

Conor tinha um irmão mais novo, Ross, e uma irmã mais velha, Melanie, de 21 anos. Esta escreveu também nas redes sociais sobre a morte do irmão, garantindo no Facebook que Conor não era assediado nem tinha sido incentivado a suicidar-se. "Ele era tão feliz, tinha um futuro brilhante e tantas coisas planeadas", escreveu. "Estou horrorizada".

Também a escola que Conor frequentava, a St Patrick Comprehensive School, emitiu um comunicado para lamentar a morte do adolescente. "Houve especulação nas redes sociais e em alguns meios de comunicação a propósito das circunstâncias da tragédia. Em particular, houve sugestões de bullying. A especulação não tem qualquer fundamento e representa uma intromissão injustificada no luto da família", frisava a declaração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.