Lobo Antunes dá última lição mas "não abranda"

Neurocirurgião jubilou-se em 2014 e foi condecorado por Cavaco Silva, perante um auditório lotado, na Faculdade de Medicina

Texto publicado originalmente a 4 de junho de 2014

João Lobo Antunes jubilou-se mas isso não significa que vai abrandar. "Enquanto as mãos me obedecerem e o cérebro souber mandar eu vou continuar a ser neurocirurgião". No final de um dia de "emoções fortes", confessou aos jornalistas que dormiu "muito mal" e que não teve muito tempo "para preparar" a última lição, dada a um dia de fazer 70 anos.

O desabafo foi feito depois de uma cerimónia que encheu o grande auditório do edifício Egas Moniz, da Faculdade de Medicina de Lisboa. A última lição do neurocirurgião terminou com a sua condecoração pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. João Lobo Antunes recebeu a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant"Iago da Espada, que distingue o mérito literário, científico e artístico. O Presidente da República subiu ao palco e impôs as insígnias a João Lobo Antunes, sem fazer qualquer declaração.

A assistir à última lição, que o neurocirurgião intitulou "Uma vida examinada", além de Cavaco Silva estiveram os antigos presidentes da República Ramalho Eanes e Jorge Sampaio, os ministros da Saúde, Paulo Macedo, e da Educação, Nuno Crato, a presidente da Fundação Champalimaud, Leonor Beleza, e o administrador da Fundação Gulbenkian, Eduardo Marçal Grilo, entre muitos outros. Na primeira fila houve ainda lugar especial para a família de João Lobo Antunes e houve até transmissão via Skype para os Estados Unidos da América, onde está uma das suas filhas.

No final da cerimónia, a filha mais nova Madalena era o espelho do orgulho familiar. "É maravilhoso poder relembrar todo o percurso do meu pai." Apesar de uma vida preenchida pela investigação, ensino e atividade médica, João Lobo Antunes nunca deixou de ter tempo para a família. "Apesar de cada um ter a sua vida e de não estarmos sempre juntos, a minha família sabe que pode contar comigo. Sou uma espécie de rede de segurança", admitiu.

Na última lição, João Lobo Antunes recordou a sua vida, lembrando os antepassados, a história da sua formação académica, o percurso profissional, a sua incursão na política enquanto mandatário das candidaturas presidenciais de Jorge Sampaio e Cavaco Silva.

Numa intervenção também pautada pelo humor, recordou o momento em que regressou a Portugal vindo dos Estados Unidos, em 1974: "Cheguei à alfândega com a mala cheia de ferros e material cirúrgico. E o homem que lá estava começou a dizer que aquilo não passava. Argumentei que era para o meu trabalho e ele foi chamar o chefe. O chefe da alfândega disse-me logo seja bem-vindo professor. A mala passou e o homem que não me quis deixar passar veio dizer-me "oh senhor doutor já agora tenho um sobrinhito com um problema na vista. Posso levá-lo ao hospital". Eu disse claro que sim. Senti-me logo em casa."

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.