Lobo Antunes dá última lição mas "não abranda"

Neurocirurgião jubilou-se em 2014 e foi condecorado por Cavaco Silva, perante um auditório lotado, na Faculdade de Medicina

Texto publicado originalmente a 4 de junho de 2014

João Lobo Antunes jubilou-se mas isso não significa que vai abrandar. "Enquanto as mãos me obedecerem e o cérebro souber mandar eu vou continuar a ser neurocirurgião". No final de um dia de "emoções fortes", confessou aos jornalistas que dormiu "muito mal" e que não teve muito tempo "para preparar" a última lição, dada a um dia de fazer 70 anos.

O desabafo foi feito depois de uma cerimónia que encheu o grande auditório do edifício Egas Moniz, da Faculdade de Medicina de Lisboa. A última lição do neurocirurgião terminou com a sua condecoração pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. João Lobo Antunes recebeu a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant"Iago da Espada, que distingue o mérito literário, científico e artístico. O Presidente da República subiu ao palco e impôs as insígnias a João Lobo Antunes, sem fazer qualquer declaração.

A assistir à última lição, que o neurocirurgião intitulou "Uma vida examinada", além de Cavaco Silva estiveram os antigos presidentes da República Ramalho Eanes e Jorge Sampaio, os ministros da Saúde, Paulo Macedo, e da Educação, Nuno Crato, a presidente da Fundação Champalimaud, Leonor Beleza, e o administrador da Fundação Gulbenkian, Eduardo Marçal Grilo, entre muitos outros. Na primeira fila houve ainda lugar especial para a família de João Lobo Antunes e houve até transmissão via Skype para os Estados Unidos da América, onde está uma das suas filhas.

No final da cerimónia, a filha mais nova Madalena era o espelho do orgulho familiar. "É maravilhoso poder relembrar todo o percurso do meu pai." Apesar de uma vida preenchida pela investigação, ensino e atividade médica, João Lobo Antunes nunca deixou de ter tempo para a família. "Apesar de cada um ter a sua vida e de não estarmos sempre juntos, a minha família sabe que pode contar comigo. Sou uma espécie de rede de segurança", admitiu.

Na última lição, João Lobo Antunes recordou a sua vida, lembrando os antepassados, a história da sua formação académica, o percurso profissional, a sua incursão na política enquanto mandatário das candidaturas presidenciais de Jorge Sampaio e Cavaco Silva.

Numa intervenção também pautada pelo humor, recordou o momento em que regressou a Portugal vindo dos Estados Unidos, em 1974: "Cheguei à alfândega com a mala cheia de ferros e material cirúrgico. E o homem que lá estava começou a dizer que aquilo não passava. Argumentei que era para o meu trabalho e ele foi chamar o chefe. O chefe da alfândega disse-me logo seja bem-vindo professor. A mala passou e o homem que não me quis deixar passar veio dizer-me "oh senhor doutor já agora tenho um sobrinhito com um problema na vista. Posso levá-lo ao hospital". Eu disse claro que sim. Senti-me logo em casa."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.