Assembleia municipal discute hoje mudanças na 2.ª Circular

Qualquer pessoa poderá dar a sua opinião durante a sessão, que decorre a partir das 18.00 no Hotel Roma. Inscrições são feitas no início do debate

Quem reside ou trabalha em Lisboa, circula com maior ou menor frequência na 2.ª Circular ou, simplesmente, quer que a sua opinião sobre o projeto de remodelação daquela via rápida seja ouvida por quem decide o destino da cidade, pode participar no debate que a assembleia municipal organiza esta segunda-feira sobre o tema. A sessão, que decorrerá no Hotel Roma (Avenida de Roma, 33), tem início agendado para as 18.00 e contará com intervenções de dez entidades exteriores à câmara municipal liderada por Fernando Medina (PS).

"Não vai ficar ninguém por falar", garantiu o socialista Rui Paulo Figueiredo, que, na terça-feira, substituiu Helena Roseta, eleita pelos Cidadãos por Lisboa na lista do PS e autora da proposta, na presidência do parlamento da cidade. "À Assembleia Municipal de Lisboa, fórum de participação cívica e órgão máximo do município de Lisboa, cabe promover debates públicos sobre temas de interesse relevante para a cidade, o que é manifestamente o caso do presente projeto", justifica a autarca no documento, que surge depois de o executivo municipal e de os eleitos pelo CDS-PP terem solicitado o debate público da intervenção que visa aumentar a segurança, a fluidez e a sustentabilidade ambiental da 2.ª Circular.

De acesso livre e com transmissão online, a sessão iniciar-se-á às 18.00, estando previsto que, às 18.10, a autarquia apresente o projeto. Seguem-se, às 18.30, as intervenções das dez entidades convidadas que falarão sobre o impacto do projeto em quatro áreas: segurança rodoviária (Automóvel Club de Portugal e Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária), ambiente e paisagem (Associação Portuguesa dos Arquitetos Paisagistas e Quercus), trânsito e transportes públicos (Infraestruturas de Portugal, Carris, ANTRAL - Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros e Federação Portuguesa dos Táxis) e segurança da navegação aérea (ANA - Aeroportos de Portugal e NAV - Navegação Aérea de Portugal, EPE).

O público poderá então participar a partir das 19.30, devendo a inscrição ser realizada no início da sessão. O objetivo é que, neste período, possa participar, além das entidades com interesse na área que não integram o painel de convidados, qualquer cidadão. A previsão é de que esta fase se prolongue por uma hora, antecedendo as intervenções dos grupos municipais. Desta sessão resultará um relatório que será debatido no dia 10 e que incluirá, eventualmente, recomendações ao executivo.

Orçado em 12 milhões de euros (com IVA), o projeto de remodelação da 2.ª Circular esteve em discussão pública até sexta-feira, tendo a autarquia recebido mais de 250 participações. Entre as alterações propostas, está a instalação de um separador central arborizado com 3,5 metros de largura, a marcação, com uma cor diferente, da via da direita para entradas e saídas, a repavimentação da faixa de rodagem, a reabilitação do sistema de drenagem e a redução da velocidade máxima de 80 km/h para 60 km/h.

As obras, a decorrer durante a noite, deverão começar em junho e durar 11 meses. A previsão é de que, se o projeto for concretizado nos moldes atuais, existam menos 850 carros a circular por dia na 2.ª Circular - 10% do total. Hoje, todas as dúvidas poderão ser esclarecidas.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.