Lisboa vai ter nova zona de lazer junto ao rio em Marvila

Em causa está a criação do Parque Ribeirinho Oriente, que visa reconverter a área da Matinha, Braço de Prata e Doca do Poço do Bispo em zonas de lazer.

A cidade de Lisboa vai ter, a partir da primavera de 2018, um novo parque verde e de lazer junto ao rio Tejo em Marvila, cuja construção já está a provocar alterações no trânsito, informou hoje a Câmara Municipal.

"A ideia é que o parque comece a ser construído no outono deste ano para estar pronto na primavera do próximo", disse à agência Lusa o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado.

De acordo com o responsável, a partir dessa altura "os munícipes já vão poder usufruir do parque", apesar de estar apenas concluída uma das fases de construção, com dimensão "maior do que o Jardim da Estrela".

"Não há muitos parques nas margens do rio e, de facto, faz todo o sentido, porque Marvila tem uma frente de rio pronta para ser usufruída", vincou Manuel Salgado.

Em causa está a criação do Parque Ribeirinho Oriente, que visa reconverter a área da Matinha, Braço de Prata e Doca do Poço do Bispo em zonas de lazer.

Em janeiro de 2015, o executivo municipal (de maioria socialista) aprovou, por unanimidade, o lançamento de um concurso de ideias para projeção deste parque.

O concurso acabou por ser anulado devido a "questões formais" relacionadas com as candidaturas, mas lançou-se um novo procedimento e, neste momento, "o projeto está pronto para ser executado", assinalou Manuel Salgado.

Segundo a proposta aprovada há dois anos, o objetivo é "reconverter uma vasta área de território marcada pelos usos de caráter industrial e portuário, resgatando-a para fruição do público em geral como zona de lazer, atividade desportiva e de enquadramento paisagístico".

O documento acrescentava que o parque se insere numa "nova área urbana definida pelo loteamento dos Jardins de Braço de Prata e pelo Plano de Pormenor da Matinha, dando continuidade à regeneração iniciada pela realização da Expo98 e da criação do Parque das Nações".

A intervenção incide, assim, sobre a frente ribeirinha junto aos Jardins de Braço de Prata e ao edifício Tabaqueira (fase 1) e sobre a frente ribeirinha contígua ao Plano de Pormenor da Matinha (fase 2), numa área de 86 mil metros quadrados.

Ao todo, o projeto está orçado em 3.850.000 euros.

Manuel Salgado explicou à Lusa que, para já, apenas avança a primeira fase, que será concretizada pelo promotor do loteamento dos Jardins de Braço de Prata.

"O promotor assumiu o compromisso de executar essa fase e decidiu contratar a equipa que tinha selecionada no concurso de ideias", referiu.

No que toca à segunda fase, que deveria ser depois concretizada pelo promotor da Matinha, a autarquia está "em negociações para ser esse promotor a executá-la ou a transferir a verba para a Câmara fazer", precisou Manuel Salgado.

Paralelamente, haverá uma "reformulação do sistema de circulação viária" na zona do Braço de Prata, de forma a possibilitar este novo espaço verde e de lazer, apontou, recordando o corte provisório -- já em curso -- num troço da Rua da Cintura do Porto de Lisboa, entre a Praça 25 de Abril e a Rua 3 da Matinha.

O vereador adiantou que "só depois disso se iniciará a criação do parque", com a modelação do terreno, a plantação de árvores e a criação de zonas de estadia e de recreio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?