Lisboa vai ter nova zona de lazer junto ao rio em Marvila

Em causa está a criação do Parque Ribeirinho Oriente, que visa reconverter a área da Matinha, Braço de Prata e Doca do Poço do Bispo em zonas de lazer.

A cidade de Lisboa vai ter, a partir da primavera de 2018, um novo parque verde e de lazer junto ao rio Tejo em Marvila, cuja construção já está a provocar alterações no trânsito, informou hoje a Câmara Municipal.

"A ideia é que o parque comece a ser construído no outono deste ano para estar pronto na primavera do próximo", disse à agência Lusa o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado.

De acordo com o responsável, a partir dessa altura "os munícipes já vão poder usufruir do parque", apesar de estar apenas concluída uma das fases de construção, com dimensão "maior do que o Jardim da Estrela".

"Não há muitos parques nas margens do rio e, de facto, faz todo o sentido, porque Marvila tem uma frente de rio pronta para ser usufruída", vincou Manuel Salgado.

Em causa está a criação do Parque Ribeirinho Oriente, que visa reconverter a área da Matinha, Braço de Prata e Doca do Poço do Bispo em zonas de lazer.

Em janeiro de 2015, o executivo municipal (de maioria socialista) aprovou, por unanimidade, o lançamento de um concurso de ideias para projeção deste parque.

O concurso acabou por ser anulado devido a "questões formais" relacionadas com as candidaturas, mas lançou-se um novo procedimento e, neste momento, "o projeto está pronto para ser executado", assinalou Manuel Salgado.

Segundo a proposta aprovada há dois anos, o objetivo é "reconverter uma vasta área de território marcada pelos usos de caráter industrial e portuário, resgatando-a para fruição do público em geral como zona de lazer, atividade desportiva e de enquadramento paisagístico".

O documento acrescentava que o parque se insere numa "nova área urbana definida pelo loteamento dos Jardins de Braço de Prata e pelo Plano de Pormenor da Matinha, dando continuidade à regeneração iniciada pela realização da Expo98 e da criação do Parque das Nações".

A intervenção incide, assim, sobre a frente ribeirinha junto aos Jardins de Braço de Prata e ao edifício Tabaqueira (fase 1) e sobre a frente ribeirinha contígua ao Plano de Pormenor da Matinha (fase 2), numa área de 86 mil metros quadrados.

Ao todo, o projeto está orçado em 3.850.000 euros.

Manuel Salgado explicou à Lusa que, para já, apenas avança a primeira fase, que será concretizada pelo promotor do loteamento dos Jardins de Braço de Prata.

"O promotor assumiu o compromisso de executar essa fase e decidiu contratar a equipa que tinha selecionada no concurso de ideias", referiu.

No que toca à segunda fase, que deveria ser depois concretizada pelo promotor da Matinha, a autarquia está "em negociações para ser esse promotor a executá-la ou a transferir a verba para a Câmara fazer", precisou Manuel Salgado.

Paralelamente, haverá uma "reformulação do sistema de circulação viária" na zona do Braço de Prata, de forma a possibilitar este novo espaço verde e de lazer, apontou, recordando o corte provisório -- já em curso -- num troço da Rua da Cintura do Porto de Lisboa, entre a Praça 25 de Abril e a Rua 3 da Matinha.

O vereador adiantou que "só depois disso se iniciará a criação do parque", com a modelação do terreno, a plantação de árvores e a criação de zonas de estadia e de recreio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.