Lisboa vai ter 84 mil lugares de estacionamento pago

Sob a alçada da EMEL há atualmente 54 mil. A somar às obras feitas para alargar passeios, que tiraram espaço aos carros, não é difícil adivinhar o descontentamento dos residentes de algumas zonas.

Todos os dias entram em Lisboa cerca de 360 mil carros que se juntam a outros tantos dos lisboetas. A cidade tem apenas estacionamento para 200 mil. Sob a alçada da EMEL há atualmente 54 mil. A somar às obras feitas para alargar passeios, que tiraram espaço aos carros, não é difícil adivinhar o descontentamento dos residentes de algumas zonas. Graça, Penha de França e Misericórdia são dos pontos críticos para os quais estão anunciadas soluções

Leonor e Luís Almeida olham atentamente para a neta que brinca no parque infantil na Avenida General Roçadas, na Penha de França, em Lisboa. O momento é de boa disposição, mas mal são questionados sobre o estacionamento na freguesia, o semblante muda. "Olhe a especialista nessa matéria é a minha mulher", responde de imediato Luís. Leonor tornou-se especialista à conta da quantidade de vezes que se queixou à junta de freguesia. "Está tudo muito bonito, aumentaram os passeios, mas para os residentes está um horror. Estou farta de reclamar." Se há tema em que os lisboetas são unânimes é nas queixas sobre o estacionamento. Ou melhor, à falta dele.

Sob a alçada da EMEL - Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, a quem cabe a responsabilidade de gerir os lugares para carros nas ruas da cidade - estão 54 211 lugares, que devem crescer para 84 211 lugares até ao fim do ano, uma promessa do atual executivo camarário. "Até ao final de 2017 teremos mais 30 mil lugares ordenados em toda a cidade", indicou a Câmara Municipal de Lisboa (CML), em resposta ao DN.

Isto depois de a empresa municipal ter ordenado - ou seja, marcado e colocado parquímetros - os lugares nas freguesias de Belém, Ajuda, Campolide, São Vicente, Penha de França, Beato, Areeiro, Marvila, Parque das Nações, Lumiar e Santa Clara, que até aqui estavam fora da alçada da EMEL. E ter aumentado as ruas pagas em Alvalade, Carnide, Parque das Nações e São Domingos de Benfica. De fora do controlo da EMEL vão ficar apenas as freguesias dos Olivais, Benfica e Alcântara. Ao espaço na via pública juntam-se oito mil lugares em parques de estacionamento no interior da cidade.

Até lá, os moradores desesperam. Dizem que foram esquecidos e que primeiro vieram as obras para os turistas. "Está caótico. Ficou assim com estas obras. Deviam ter melhorado o Largo [da Graça], mas tinham que arranjar uma alternativa para os residentes que não fosse os parques a pagar. Parece que a câmara quer que fique tudo para andar a pé e quem mora aqui que se vá embora", queixa-se António Pires. Morador na Graça há 40 anos, diz que hoje só sai de carro quando é mesmo imprescindível, até porque passar a andar de transportes não está em cima da mesa, já que estes também não são de confiança, lamenta.

Os automóveis deixaram de frequentar o Largo da Graça que ficou mais limpo e desafogado. Mas se "a cidade está muito bonita para os turistas", os residentes sentem-se esquecidos. mesmo que a Câmara e a EMEL tenham anunciado parques e ordenamento dos lugares com prioridade para quem por aqui vive. O problema é que muitas dessas soluções não estão ainda disponíveis e até lá, os moradores são obrigados a deixar os carros a quilómetros de casa. "Já deixei o carro quase nas Olaias e não é lá que moro", exemplifica Leonor Almeida, cuja casa é na Paiva Couceiro. A freguesa da Penha de França só tem uma certeza: "Quando saímos nunca sabemos onde vamos estacionar. Quando vou às compras tenho que deixar o carro em segunda fila, tirar tudo e depois ir ver onde vou deixar o carro."

Chegar às 20.00 e jantar às 22.00

Outra moradora no bairro - na General Roçadas - fala das horas que se perdem à procura de lugar. "O meu marido chegava aqui às 20.00 e só jantávamos às 22.00 quando ele conseguia estacionar". Ana Paula Silva acrescenta que ainda no domingo passado andou duas horas às voltas até conseguir um lugar.

O marido de Ana Paula passou a andar de transportes. "Tem paragens à porta de casa e do trabalho e assim não perde sempre duas horas para deixar o carro", explica. Desempregada, a moradora desloca-se a pé e defende que os parques deviam ser gratuitos para residentes. Não é o que está previsto. Mas haverá tarifas especiais para moradores.

Atualmente, a EMEL cobra 30 euros por mês aos lisboetas que queiram lugar nos parques. Para a Penha de França não estão mais parques nos planos, mas a presidente da Junta, Sofia Oliveira Dias, lembra que um dos primeiros passos que deu para resolver o problema foi "criar bolsas de estacionamento onde fosse possível" o que se traduziu em "dois novos parques com capacidade para mais 136 lugares".

Na Graça, a EMEL anuncia a abertura "proximamente" de um parque no terreno da GNR. Mas existem já outras alternativas, como lembra a presidente da Junta de São Vicente, Natalina Tavares de Moura. "Já houve um tempo em que era mais difícil. Primeiro falámos com a GNR para dispensar o pavilhão na Damasceno Monteiro, que está a funcionar e não é pago, enquanto as obras não estiverem concluídas." A autarca enumera ainda dois parques que estão a ser feitos do lado oposto da rua (um deles é o anunciado pela EMEL), mais os lugares no Pavilhão Manuel Castelbranco e no edifício contíguo, que tem tarifário fixo, e as três bolsas de estacionamento gratuitas da junta na Rua Leite Vasconcelos. Havendo ainda o espaço do pavilhão dos bombeiros sapadores e uma construção anunciada para a parte norte de Santa Engrácia.

Ora, se há tanta opção na Graça porque andam os moradores e comerciantes tão descontentes? "Muitas pessoas vêm estacionar aqui para aceder ao resto da cidade porque estamos muito bem servidos de transportes", responde a líder socialista da junta. Um dos exemplos, foi "quando fizemos os arraiais só três carros que estavam junto ao coreto eram da freguesia, até da Azambuja estavam lá estacionados". O morador António Pires aponta "as alterações na Baixa que desviaram o trânsito todo para aqui", como mais um fator para a falta de espaço para residentes. A presidente da junta acredita, no entanto, que os 354 lugares de estacionamento com que a freguesia fica serão suficientes para responder a quem aqui mora.

Mas se é verdade que muita gente por aqui passa, poucos param, apontam os comerciantes. "Perdemos clientes. O trânsito está mesmo horrível", classifica Susana Martins da Papelaria Havaneza Bandeira, no Largo da Graça. Antes da retirada dos carros do largo, "os clientes tinham espaço para estacionar, agora nem isso". "Mesmo os que vinham do Castelo e de Alfama deixaram de vir, não têm onde parar".

Vale tudo: passadeiras e passeios

Mais abaixo, o restaurante Mourisca ganhou turistas, porém perdeu clientes lisboetas. E "até para os fornecedores há falta de estacionamento", refere o senhor Santos, funcionário do restaurante. Na rua em frente à Igreja, a Travessa das Mónicas, os lugares marcados no chão estão todos ocupados, o que leva a que no outro lado da rua estreita, os carros estejam ilegalmente em cima do passeio, sem dar espaço aos peões.

Pelas ruas que ligam a Graça à Penha de França, não é raro encontrar carros indevidamente estacionados em lugares para pessoas com deficiência, nas paragens de autocarro, passadeiras ou em cima do passeio. E alguns em segunda fila com os quatro piscas ligados.

Na Avenida General Roçadas, a farmacêutica Paula Rodrigues não hesita em classificar o impacto das obras - passeios mais largos e marcação de lugares para estacionar - como negativo. "Nem temos lugar para entregas e estacionar só em segunda fila", lamenta a responsável da Farmácia Europa, que recorda o caso de um cliente impedido de parar em segunda fila por um polícia que se encontrava por perto. "O cliente pediu desculpa e foi a outro lado aviar a receita."

Mais próximo do fim da avenida, no café Flor do Minho, a funcionária Ilda Campos vem Alverca no seu carro e também sente as mudanças. "Chego sempre, no mínimo, uns 15 minutos mais cedo porque nunca sei quantas voltas tenho que dar."

A Penha de França era uma das 11 freguesias que não tinha a presença da EMEL e que até ao final do ano vai passar a ter, pelo menos em algumas ruas. As marcações já são visíveis no chão, mas ainda não é pago. O que ajuda a dificultar os problemas dos residentes, aponta a autarca Sofia Oliveira Dias (PS), que viu na intervenção da empresa municipal uma mais-valia. "A nossa preocupação essencial, que foi aceite, era dar prioridade às zonas de fronteira da freguesia junto às quais já existe estacionamento tarifado e que sofrem diariamente com a pressão de quem para aqui vem à procura de lugares gratuitos." Assim, o controlo da EMEL vai começar na Encosta da Penha de França e no Alto do Pina.

A junta garante que o trabalho feito com a empresa de estacionamento tem sido no sentido de "maximizar a oferta", como nos casos das ruas Coronel Luna de Oliveira, Luís Monteiro e na Praça António Sardinha. Admitindo que este "não é um problema de solução simples e rápida", têm sido procuradas várias soluções, aponta a líder da freguesia, sendo a ordenação e pagamento do estacionamento uma delas.

A junta de freguesia espera ainda que o lançamento anunciado da carreira de bairro possa melhorar o problema do estacionamento, bem como um reforço nas restantes linhas da Carris que aqui passam. "Esperamos que dotar a Freguesia com melhores transportes públicos tenha um impacto positivo na mobilidade, incentivando residentes e trabalhadores a preferi-lo ao transporte privado."

Ainda assim, os residentes pedem mais soluções para os seus carros. "Não os podemos levar para dentro de casa, por isso temos que ter soluções na rua", ironiza Leonor Almeida. A moradora da Penha de França lamenta ter que andar quilómetros a pé entre casa e o local onde encontra lugar para o carro. E vai lançando sugestões para resolver o problema: "Há tanto terreno desocupado junto ao cemitério, podem fazer-se parques subterrâneos ou silos automóveis." Até haver alternativas, tirar o carro só mesmo em caso de necessidade. O descontentamento é tal que, Leonor chega mesmo a considerar que "o presidente da câmara pôs Lisboa bonita para estrangeiro ver, protegeu o peão e esqueceu-se do residente". Porém, Sofia Oliveira Dias lembra que o espaço também é limitado: "Esta é uma Freguesia com um número de lugares finito, onde a densidade populacional é elevadíssima".

Cidade recebe por dia 360 mil carros

Ainda que algumas zonas da cidade estejam mais sob pressão que outras, a verdade é que o problema acaba por ser geral. Senão vejamos os números. Todos os dias entram na cidade cerca de 360 mil carros e os lisboetas são proprietários de mais de 374 mil veículos. Esta soma diz-nos que há mais de 700 mil automóveis que precisam de um espaço para parar, quando a cidade tem apenas cerca de 200 mil lugares, segundo o site da EMEL. Desses 54 211 são tarifados.

Mesmo que uma boa parte tenha garagem, há muitos edifícios, especialmente nas zonas históricas, que não têm. Só na freguesia da Misericórdia - Bairro Alto e Cais do Sodré - "temos um défice de 2000 lugares", indica a presidente da Junta de Freguesia, Carla Madeira (PS). Um levantamento feito pela comparação entre os dísticos de residente - "dois mil" - e o número de lugares disponíveis que não vão além "dos mil e poucos". "Temos vindo a pedir um aumento das ruas com estacionamento exclusivo para moradores e estão previstos parques na zona da Boavista, mas "ainda estão só em plano". "De imediato temos previsto é a reserva no Cais do Sodré de ruas exclusivas para moradores no período noturno". No conjunto serão cerca de 12 ruas.

Entre os locais abrangidos pela freguesia está o Bairro Alto que tem estacionamento condicionado. "A EMEL aí está a aumentar a fiscalização", aponta a dirigente da freguesia. Quem por aqui vive compreende as limitações a que o bairro está sujeito. Pior mesmo é para quem tem dificuldades de mobilidade, como Fernanda Reis. Com 74 anos, vive aqui há 73. Um problema na anca, depois de uma queda, deixou-a incapaz de andar, numa primeira fase, e agora move-se graças ao apoio de duas muletas. "A minha filha para me vir buscar teve de ir pagar à EMEL se não eles não levantavam as cancelas", lamenta a moradora.

E mesmo que a circulação esteja limitada, os poucos carros que entram parecem não ter grande respeito por quem aqui mora. "Estacionam à porta da minha casa e nem consigo entrar", acrescenta Laurinda, de 50 anos, sentada na cadeira ao lado de Fernanda. As duas históricas bairristas lembram com saudade outras vidas do Bairro Alto. Embora, neste caso, o problema seja o barulho durante a noite e não tanto o estacionamento. Recém-regressada ao Bairro Alto, depois de 20 anos fora, Carlota Machado anda exclusivamente de transportes. Com os sacos das compras nas mãos, não tem dúvidas: "Seria um bocado difícil de estacionar aqui." No regresso ao bairro, até elogia o controlo dos carros nas ruas. "Antigamente era pior. Acho que o estacionamento e a entrada dos carros tem de ser controlada. Embora a mim não me afete."

Para os comerciantes as opções não desagradam. "Temos direito a 210 minutos sem pagar", explica Albertino Dias, um dos sócios do talho Dias&Dias. A única queixa vai para o facto de alguns clientes que passavam de carro terem deixado de aparecer.

Sete mil lugares às portas de Lisboa

Tendo em conta que os lugares da cidade não chegam para todos, a CML, juntamente com a EMEL, anunciou um conjunto de parques de estacionamento dissuasores. O objetivo é que quem vem de fora passe a deixar o carro à entrada da cidade. "Vamos ampliar significativamente o número de lugares em parques de estacionamento dissuasores que irão ter um tarifário simbólico integrado com os passes de transporte público", anunciou o presidente da Câmara, Fernando Medina, no final do ano passado, aquando da passagem da Carris para a gestão autárquica.

Até ao fim deste mês, "previsivelmente", segundo a autarquia, vai abrir o primeiro desses parques, na Ameixoeira, com capacidade para 530 carros (ver todos os parques na infografia). Nestes parques, o estacionamento vai custar apenas 50 cêntimos por dia para quem tem passe dos transportes públicos. Uma vez que o objetivo "é o de incentivar aqueles que quotidianamente vêm a Lisboa para trabalhar a deixarem os seus automóveis na periferia da cidade e prosseguirem a sua viagem de metro, de autocarro, ou utilizando outros meios de mobilidade suave", esclarece a CML.

Este eixo da política de estacionamento prevê "cerca de sete mil novos lugares, localizados sobretudo junto às grandes vias de acesso à cidade e aos principais acessos aos interfaces de transportes públicos". Juntam-se ainda a estes lugares, os 220 do Campo das Cebolas - "um parque de rotação".

A estes somam-se 23 parques que a EMEL gere em toda a cidade com um total, com cerca de 4000 lugares. A EMEL, fundada em 1996, tem emitidos mais de 43 mil dísticos de residentes. No ano passado, teve receitas de mais de 30 milhões de euros, entre os parquímetros e as multas cobradas. Os bloqueios e contraordenações corresponderam a 5,5 milhões de euros. Os lucros são usados pela cidade para as obras nas estradas e ruas e agora também para financiar a Carris, que desde fevereiro está sob a alçada da CML.

Ler mais

Exclusivos