Lisboa quer instalar sensores de ruído nas zonas de diversão noturna

O projeto visa melhorar a qualidade de vida dos moradores e reforçar a segurança

A Câmara de Lisboa está a estudar a instalação de sensores de ruído nas zonas de diversão noturna, como Cais do Sodré e Bairro Alto, para permitir às autoridades intervir em caso de incumprimento da legislação.

O anúncio foi feito na quarta-feira à noite na reunião descentralizada da autarquia -- na qual foram ouvidos moradores da Misericórdia, Santo António e Santa Maria Maior -- pelo vereador da Segurança, que explicou que na cidade holandesa de Hoogeveen essa medida permitiu "melhorar a qualidade de vida dos moradores e reforçar a segurança".

Falando à agência Lusa no final do encontro, Carlos Manuel Castro precisou que, tal como Lisboa, essa cidade holandesa tem "muito movimento" noturno, razão pela qual pretende trazer a ideia para a capital portuguesa.

Desta feita, a Câmara de Lisboa está a estudar, juntamente com a cidade de Hoogeveen, "o modelo de intervenção", revelou Carlos Manuel Castro, adiantando que o passo seguinte é articular esta implementação com a Comissão Nacional de Proteção de Dados.

Na prática, isso permitiria que as autoridades tenham esta informação e possam intervir de imediato, tendo uma "ação preventiva" em vez de corretiva, esclareceu.

Carlos Manuel Castro disse ainda à Lusa a autarquia pretende "aumentar a fiscalização" nos estabelecimentos da cidade e torná-la "mais efetiva", estando em curso um plano de intervenção conjunto da Polícia Municipal com a Polícia de Segurança Pública, a Autoridade Tributária e Aduaneira, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Este trabalho arrancou "há cerca de três meses" em zonas como o Intendente e o Cais do Sodré e já resultou numa "coima na ordem dos milhares de euros para um estabelecimento" e no encerramento de um outro espaço, adiantou o responsável.

Na reunião de hoje, que durou seis horas e contou com uma audiência de quase 200 pessoas, foram vários os moradores que intervieram para denunciar problemas resultantes da diversão noturna, como o lixo, o ruído, o consumo de drogas e a insegurança.

O vice-presidente do município, Duarte Cordeiro (PS), garantiu que estão "em curso ações para resolver" estes problemas, como é o caso da sujidade, área para a qual se prevê a criação de contentores enterrados e contentores fixos nas paredes.

Esta última ideia irá arrancar na Bica, indicou.

O autarca disse ainda que, no largo de São Paulo, vai ser "instalado no mês de abril" um sanitário público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.