Lisboa já ganha ao Algarve em número de hóspedes e receitas

Com toda a gente à espera de novos máximos para 2016, a capital e a região algarvia deverão manter-se ombro a ombro nos números do turismo. Responsáveis sublinham que não são destinos rivais, mas complementares

Uma é a região turística portuguesa por excelência, a outra um caso sério de crescimento nos últimos anos. De tal forma que Lisboa já suplantou o Algarve em número de hóspedes e receitas de hotelaria. Em sentido contrário, a região algarvia continua a ser a campeã incontestada no número de dormidas. Para este ano ambas partilham uma certeza: o setor do turismo vai crescer. Falta saber quanto. Os dados já conhecidos deste ano confirmam a expectativa: o primeiro trimestre fechou com números superiores aos do período homólogo do ano passado.

Em 2015 Lisboa passou pela primeira vez o Algarve nos proventos totais do setor hoteleiro. O valor não é muito expressivo - foram cerca de 15 milhões de euros a mais -, mas tem a carga simbólica de uma inversão de lugares que nunca tinha acontecido. De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), citados pelo Turismo de Portugal, a capital registou no ano passado proveitos totais de 772 milhões de euros, enquanto o Algarve averbou 757 milhões.

A capital portuguesa também lidera no número de hóspedes: foram 5,2 milhões na capital, contra 3,7 no Algarve. Noutro capítulo, a região algarvia registou no ano passado 16,6 milhões de dormidas (34,1% do total nacional), contra 12,2 milhões na área metropolitana da capital. O que significa que, somadas, as duas regiões representam mais de 50% das dormidas no país. A diferença entre o número de hóspedes e de dormidas é explicada por uma substancial disparidade no perfil típico da estada em Lisboa e no Algarve, bastante mais prolongada no segundo caso.

Vítor Costa, diretor-geral da Associação de Turismo de Lisboa (ATL), diz que o prato da balança pode cair para um lado ou para outro consoante o critério de comparação, mas sublinha que as duas regiões não funcionam numa lógica de competitividade, dadas as diferenças substanciais no turismo e no tipo de turista. O estrangeiro que visita Lisboa "tem como motivação principal o city break. Tem uma permanência média de 2,2 noites". O turista-tipo "não é muito jovem, tem entre 35 e 54 anos" e tem formação superior. Mais de 80%, acrescenta Vítor Costa, são europeus e há muitos repetentes. Além da cidade propriamente dita, há duas "outras centralidades bastantes procuradas" na área metropolitana da capital - Cascais e Sintra.

A sul, o Algarve recebe sobretudo um turismo de família, destaca Desidério Silva, presidente da Região de Turismo do Algarve, registando uma estada média de quatro a cinco noites. O responsável do Turismo algarvio refere que "Lisboa está com uma dinâmica muito forte" de crescimento, mas o Algarve "é claramente o destino turístico mais importante de Portugal": "Representamos quase 40% de todo o turismo." É o "destino de referência" no país, diz Desidério Silva, defendendo também que o turismo nas duas regiões é complementar.

Com o mercado a retomar a tendência de crescimento, Desidério Silva antecipa que 2016 vai fechar com números melhores do que os do ano transato, antecipando que a região ultrapasse neste ano os 17 milhões de dormidas. É para aí que apontam as reservas já confirmadas até ao final do ano: "A taxa de reserva para o mês de outubro já supera os 80%, para novembro aponta para os 60% quando no ano passado era de 45%."

Lisboa é uma moda?

Em Lisboa, e face aos números que ano a ano colocam a capital a bater recordes na área do turismo, põe--se a questão de saber se este é um crescimento sustentado ou um fenómeno de moda. Vítor Costa não tem dúvidas quanto à escolha da primeira opção. Em primeiro lugar porque o boom do turismo em Lisboa acompanha uma "tendência mundial" de crescimento do turismo urbano face a outros produtos turísticos, mais ligados ao sol e ao mar. Em segundo lugar "temos mais ligações aéreas, que vão a mais mercados e são mais baratas" - e isto é válido sobretudo para os mercados europeus, precisamente os que têm mais peso neste momento no turismo em Lisboa.

Por último, o diretor-geral da Associação de Turismo de Lisboa defende que tem havido um "trabalho sustentado" na promoção de Lisboa como destino turístico: "O ponto de viragem foi a Expo"98 e foi-se crescendo por patamares, com grandes eventos que nos deram projeção, como o Euro 2004. Não é uma questão conjuntural." E se o crescimento do turismo nos últimos anos é por vezes atribuído a questões como a instabilidade noutros destinos turísticos, por exemplo no Norte de África, Vítor Costa desvaloriza esse efeito. "Não é determinante. Podemos ter ganho alguma coisa em relação a Istambul, que é uma concorrente forte, mas não mais do que isso." Também por isso, o responsável do turismo graceja com a constatação de que o ano passado foi o melhor do turismo em Lisboa: "Discordo. Vai ser o próximo."

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.