Lisboa "invadida" por abelhas devido a altas temperaturas

Só hoje os bombeiros já foram chamados para quatro ocorrências relacionadas com abelhas

O calor que se tem feito sentir nos últimos dias levou a uma "invasão" da cidade de Lisboa por abelhas. A situação não é inédita, mas o dia de hoje está a ser especialmente trabalhoso para os bombeiros e para os apicultores.

Até às 16:00 tinham-se registado hoje quatro ocorrências relacionadas com abelhas que exigiram a presença dos Bombeiros Sapadores de Lisboa. Uma na zona de Alvalade, outra na 24 de Julho, outra perto do castelo de São Jorge (Rua das Flores de Santa Cruz) e, finalmente, uma outra junto à Assembleia da República (Rua Almeida Brandão). "É uma invasão de abelhas", brinca Jorge Trindade, chefe de turno dos sapadores de Lisboa.

Segundo a mesma fonte, estas situações são normais e acontecem todos os anos quando a temperatura começa a subir. Este ano não foi exceção. Nos últimos dias, de acordo com os bombeiros sapadores, têm-se registado entre uma e duas chamadas para recolha de abelhas. Mas hoje o número duplicou.

"As pessoas ligam a reclamar e nós marcamos presença com meios para a recolha dos animais", explica. No entanto, acrescenta, o processo é efetuado por apicultores chamados para o efeito.

Segundo a mesma fonte, trata-se de abelhas do mel, que saem das colmeias para formar novas colmeias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".