Lisboa "invadida" por abelhas devido a altas temperaturas

Só hoje os bombeiros já foram chamados para quatro ocorrências relacionadas com abelhas

O calor que se tem feito sentir nos últimos dias levou a uma "invasão" da cidade de Lisboa por abelhas. A situação não é inédita, mas o dia de hoje está a ser especialmente trabalhoso para os bombeiros e para os apicultores.

Até às 16:00 tinham-se registado hoje quatro ocorrências relacionadas com abelhas que exigiram a presença dos Bombeiros Sapadores de Lisboa. Uma na zona de Alvalade, outra na 24 de Julho, outra perto do castelo de São Jorge (Rua das Flores de Santa Cruz) e, finalmente, uma outra junto à Assembleia da República (Rua Almeida Brandão). "É uma invasão de abelhas", brinca Jorge Trindade, chefe de turno dos sapadores de Lisboa.

Segundo a mesma fonte, estas situações são normais e acontecem todos os anos quando a temperatura começa a subir. Este ano não foi exceção. Nos últimos dias, de acordo com os bombeiros sapadores, têm-se registado entre uma e duas chamadas para recolha de abelhas. Mas hoje o número duplicou.

"As pessoas ligam a reclamar e nós marcamos presença com meios para a recolha dos animais", explica. No entanto, acrescenta, o processo é efetuado por apicultores chamados para o efeito.

Segundo a mesma fonte, trata-se de abelhas do mel, que saem das colmeias para formar novas colmeias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.