Linha azul passa a ter percursos diretos para a Reboleira a partir de segunda-feira

A linha azul tem percursos alternados para a Pontinha e para a Reboleira desde 27 de março deste ano

A circulação da linha azul do Metropolitano de Lisboa (ML) vai passar a ter percursos diretos para a Reboleira, concelho da Amadora, a partir de segunda-feira, anunciou hoje a empresa. "A circulação na linha Azul vai voltar a efetuar-se em toda a sua extensão e sem percursos alternados, já a partir do próximo dia 19 de junho [segunda-feira]", refere o ML, em comunicado.

A linha azul tem percursos alternados para a Pontinha e para a Reboleira desde 27 de março deste ano, entre as 07:30 e as 10:00, de forma a adequar a oferta à procura e otimizar recursos e material circulante, segundo explicou o ML, na ocasião.

"A empresa reuniu todas as condições para antecipar, em cerca de um mês, o modelo de circulação temporário implementado no final de março do corrente ano e inicialmente previsto até 16 de julho, que anunciava destinos alternados entre Santa Apolónia/Pontinha e Santa Apolónia/Reboleira", acrescenta o comunicado.

De acordo com a empresa, esta antecipação deve-se, sobretudo, ao facto de o Metropolitano de Lisboa "ter vindo a dar resposta expedita ao plano de recuperação da manutenção da frota, ainda em curso", e "que tem permitido a adequação da oferta à procura, bem como a recuperação progressiva dos níveis de eficiência e da qualidade de serviço diariamente prestado aos seus clientes".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.