Ligações fluviais da Transtejo novamente paradas esta tarde

Sindicato aponta para uma adesão à greve de 90%

As ligações fluviais da Transtejo, na região de Lisboa, voltaram hoje à tarde a parar devido à greve dos trabalhadores, tendo o sindicato avançado com uma adesão "superior a 90%" neste segundo período do último dia da paralisação.

Os trabalhadores da Transtejo cumpriram na terça-feira e hoje uma greve para contestar problemas nas embarcações e exigir a revisão do Acordo de Empresa, o que afeta as ligações fluviais no rio Tejo na região de Lisboa.

As ligações devem começar a ser gradualmente repostas cerca das 20:15.

"Tal como ocorreu no período da amanhã, agora de tarde as embarcações também estão paradas em todas as ligações. A adesão à greve neste segundo período é similar ao que aconteceu em todos os períodos anteriores, sendo superior a 90%", disse à Lusa Carlos Costa, do Sindicato dos Transportes Fluviais Costeiros e Marinha Mercante, afeto à Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

As ligações fluviais do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão com Lisboa foram afetadas, em especial, nos períodos das horas de ponta da manhã e da tarde, devido à greve de três horas por turno.

Fonte oficial do grupo Transtejo disse à Lusa que a adesão à greve no período da manhã foi de 93%, entre a direção de operação e a direção comercial, e referiu que os números da tarde ainda não estão disponíveis, uma vez que a paralisação está a decorrer.

"Dos 73 trabalhadores escalados, 68 estiveram em greve. Os serviços mínimos determinados pelo Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social foram cumpridos, tendo as ligações sido retomadas nos termos previstos na informação previamente disponibilizada aos clientes", indicou a empresa.

Segundo Carlos Costa, os trabalhadores continuam a não ter respostas para os problemas que contestam.

"Continuamos sem respostas e vamos agora realizar um plenário com os trabalhadores para avaliar a forma como decorreu esta ação e decidir o futuro e novas formas de luta. Os trabalhadores, com a adesão à greve, mostraram que estão unidos na luta pelas suas reivindicações", defendeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".