Lesados do incêndio no Andanças pagam 400 euros de taxas

Queixa vai avançar agora, um ano depois do incêndio que destruiu 422 viaturas. Apenas 69 proprietários chegam a tribunal.

Quase 70 lesados do incêndio que há um ano destruiu 422 no estacionamento do festival Andanças, em Castelo de Vide, estão prestes a apresentar uma queixa em tribunal contra a câmara municipal e a empresa organizadora do evento, conta a TSF esta quinta-feira.

O processo deve dar entrada ainda em agosto, explicou à rádio o advogado Pedro Proença, que aguarda apenas receber alguns comprovativos de pagamento de todas as taxas de justiça, explicando que cada queixoso avançará, à cabeça, com cerca de 400 euros de taxas (num total de 27 mil euros), além de outras despesas judiciais que se sabe que vão existir com o processo.

O dinheiro poderá ser em parte recuperado se vencerem a ação, mas o advogado acredita que estes custos são uma das principais razões que levam tão poucos lesados a chegarem a tribunal, depois de no início do ano o Ministério Público ter arquivado o caso por não ter encontrado sinais de que o fogo tenha sido ateado de forma deliberada ou intencional.

O advogado diz que os carros foram estacionados em cima de uma espécie de bomba relógio

A queixa já finalizada pede indemnizações de perto de 800 mil euros por danos patrimoniais e 600 mil por danos morais, num total de quase 1,5 milhões de euros.

Pedro Proença adianta que há muitos lesados que um ano depois ainda não ultrapassaram o trauma de verem tantos carros a arder, havendo pessoas que nunca mais conseguiram ter automóvel, afetando, naturalmente, o seu dia-a-dia a irem para o trabalho ou a levarem os filhos à escola.
O representante de 69 lesados garante que o festival Andanças do ano passado teve várias falhas de segurança, detalhadas por especialistas em bombeiros e proteção civil que estarão na queixa apresentada em tribunal. Nomeadamente, a existência de muito material combustível, ou seja, palha resultante do corte de erva pela autarquia que não foi recolhida e que depois potenciou a destruição de tantos carros.
A acusação queixa-se ainda da falta de extintores no recinto do festival e de um camião autotanque, com a organização a ter recusado a presença dos bombeiros, o que fez com que não existisse resposta atempada, além de portões fechados a cadeado que impediram a passagem de uma viatura dos sapadores florestais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.