Lesados do incêndio no Andanças pagam 400 euros de taxas

Queixa vai avançar agora, um ano depois do incêndio que destruiu 422 viaturas. Apenas 69 proprietários chegam a tribunal.

Quase 70 lesados do incêndio que há um ano destruiu 422 no estacionamento do festival Andanças, em Castelo de Vide, estão prestes a apresentar uma queixa em tribunal contra a câmara municipal e a empresa organizadora do evento, conta a TSF esta quinta-feira.

O processo deve dar entrada ainda em agosto, explicou à rádio o advogado Pedro Proença, que aguarda apenas receber alguns comprovativos de pagamento de todas as taxas de justiça, explicando que cada queixoso avançará, à cabeça, com cerca de 400 euros de taxas (num total de 27 mil euros), além de outras despesas judiciais que se sabe que vão existir com o processo.

O dinheiro poderá ser em parte recuperado se vencerem a ação, mas o advogado acredita que estes custos são uma das principais razões que levam tão poucos lesados a chegarem a tribunal, depois de no início do ano o Ministério Público ter arquivado o caso por não ter encontrado sinais de que o fogo tenha sido ateado de forma deliberada ou intencional.

O advogado diz que os carros foram estacionados em cima de uma espécie de bomba relógio

A queixa já finalizada pede indemnizações de perto de 800 mil euros por danos patrimoniais e 600 mil por danos morais, num total de quase 1,5 milhões de euros.

Pedro Proença adianta que há muitos lesados que um ano depois ainda não ultrapassaram o trauma de verem tantos carros a arder, havendo pessoas que nunca mais conseguiram ter automóvel, afetando, naturalmente, o seu dia-a-dia a irem para o trabalho ou a levarem os filhos à escola.
O representante de 69 lesados garante que o festival Andanças do ano passado teve várias falhas de segurança, detalhadas por especialistas em bombeiros e proteção civil que estarão na queixa apresentada em tribunal. Nomeadamente, a existência de muito material combustível, ou seja, palha resultante do corte de erva pela autarquia que não foi recolhida e que depois potenciou a destruição de tantos carros.
A acusação queixa-se ainda da falta de extintores no recinto do festival e de um camião autotanque, com a organização a ter recusado a presença dos bombeiros, o que fez com que não existisse resposta atempada, além de portões fechados a cadeado que impediram a passagem de uma viatura dos sapadores florestais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.