Legionella: Três doentes continuam nos cuidados intensivos e três já tiveram alta

Ao todo, estão confirmados 43 casos da doença

Três das 43 pessoas infetadas com a bactéria 'legionella' no surto do Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, permanecem nos cuidados intensivos, outras três já tiveram alta e pelo menos quatro têm alta programada, segundo a diretora-geral da Saúde.

Graça Freitas falava aos jornalistas num encontro em que anunciou a terceira morte no âmbito deste surto, que começou a 31 de outubro: Uma mulher de 68 anos, que sofria de várias doenças.

Dos 43 casos de doença dos legionários provocados por este surto, três foram infetados na quinta-feira, adiantou Graça Freitas.

"Todos os doentes têm doenças crónicas e fatores de risco associados, quase todos são idosos, seis estiveram internados em unidades de cuidados intensivos, incluindo os três que faleceram", adiantou.

A diretora-geral da Saúde sublinhou que três doentes já tiveram alta e que, pelo menos, outros quatro têm alta programada.

"Apesar de tudo, muitos doentes estão a recuperar. A tendência é os doentes que recuperam terem alta. Há aqui um movimento positivo, de bom nível assistencial que permite que doentes internados voltem à sua casa e retomem a sua vida", prosseguiu.

Segundo Graça Freiras, os dados que as autoridades dispõem apontam para que o surto esteja a entrar "numa fase decrescente".

"Também os dados de modulação matemática confirmam esta tendência. Se tudo acontecer como até agora, o número de casos diários será esporádico e o surto dado como controlado dentro de poucos dias".

Para já, os resultados das análises em curso ainda não são conhecidos, pelo que a DGS não se pronuncia sobre os mesmos.

Pelas contas da DGS, o período de incubação prolonga-se por 10 dias (até 14 de novembro), mas este organismo vai estar atenta até 20 dias após o contágio (que termina no dia 24).

"A probabilidade maior de acontecerem casos é até ao dia 14", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?