Laranjeiras tem novo parque de estacionamento

O parque tem capacidade para 52 carros e terá um custo de 0,80 euros por hora

A zona das Laranjeiras, na freguesia de São Domingos de Benfica, em Lisboa, conta com mais 52 lugares de estacionamento a partir desta quarta-feira, num investimento municipal de 98 mil euros.

O parque de estacionamento, localizado na Estrada de Benfica, debaixo do viaduto da Avenida Lusíada, terá capacidade para 52 viaturas em regime rotativo e está localizado em zona de tarifa verde (0,80 euros por hora).

A obra, que ficou a cargo da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), teve a duração de um mês e um custo de 98 mil euros.

Na abertura, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, explicou que o parque irá servir "todas as pessoas que circulam nesta zona", especialmente quem se dirige à Loja do Cidadão das Laranjeiras.

"Esta era uma zona muito congestionada, com muitas dificuldades de estacionamento, e que estava mal tratada do ponto de vista urbano", afirmou Fernando Medina.

Segundo o presidente do executivo municipal, esta foi uma "solução simples e rápida" de criar lugares de estacionamento, contribuindo para os sete mil novos lugares anunciados pela Câmara Municipal no final de outubro, entre parques dissuasores e de utilização geral.

Medina observou, também, que as freguesias de São Domingos de Benfica e Lumiar merecem uma "atenção especial", devido à pressão do "estacionamento desorganizado junto às bocas de metro".

Assim, Fernando Medina prevê para esta zona a criação de mais "algumas centenas de lugares", entre "parques de rotação ou parques dissuasores, articulados com a rede da Carris e a rede de Metro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.