Jovem português faz caminhada solitária de 500 km para ajudar refugiados

Luís Silva vai de Lisboa para Espanha em 12 dias

O jovem português Luís Silva iniciou hoje, em Lisboa, uma caminhada solitária de 500 quilómetros pela costa alentejana e algarvia até à fronteira com Espanha para angariar fundos para associações que ajudam refugiados.

De mochila às costas e com um cartaz com o nome do projeto 'refugiando.org', o jovem estudante do MIT Portugal partiu sozinho do Largo de Carnide para uma longa viagem de 12 dias durante a qual pretende sensibilizar os portugueses para esta causa.

A ideia, como contou aos jornalistas, surgiu depois de uma visita recente a um campo de refugiados junto à fronteira entre a Sérvia e a Hungria.

"Visitei uma ONG [organização não-governamental] que está a apoiar refugiados", fornecendo-lhes roupa e alimentos para eles confecionarem, começou por contar Luís Silva.

"Os refugiados [a maioria do Paquistão e do Afeganistão] convidaram-nos para jantar e cozinharam para nós", disse, lembrando que todos eram mais novos do que ele e que um em cada quatro era menor.

Na altura, "pensei que poderia ser eu a estar no lugar deles" disse o jovem de 29 anos, que se questionou como reagiria se tivesse que abandonar a sua casa, o seu país.

"Em Portugal temos sorte por não termos condições que nos façam fugir neste momento, mas isso não é uma realidade em todo o mundo", sublinhou.

Por isso, salientou, o objetivo do projeto "é tentar mostrar às pessoas o que é que seria se tivessem de sair de Portugal".

Antes de iniciar a aventura, o jovem confessou estar "um bocadinho assustado": "não sei se vou conseguir levar isto até ao fim, se vou conseguir 'sobreviver'", mas o objetivo é tentar perceber as dificuldades que os refugiados passam.

Para a experiência ser o mais real possível, Luís Silva apenas leva na mochila uma muda de roupa, uma lata de salsichas e de atum e um saco-cama.

Também não definiu bem o percurso da viagem. "Não marquei alojamento, não sei onde vou dormir", disse, contando que "a ideia é ir sempre junto a costa".

"Hoje vou até Belém, apanho o barco para a Trafaria e sigo até ao Cabo Espichel", disse o jovem, que vai relatar as dificuldades da viagem no 'site' do projeto (www.refugiando.com).

Luís Silva conta fazer cerca de 50 quilómetros por dia e espera terminar a viagem a 21 de agosto, dia de aniversário da sua mãe, que, apesar de "preocupada", o apoia nesta aventura.

Durante a viagem, o jovem pretende incentivar as pessoas a participarem no "Sand bucket challenge", semelhante ao "Ice bucket challenge", com a diferença de que se usa areia para simbolizar a acumulação de pó durante a viagem.

"As pessoas podem fazer um vídeo a despejar um balde de areia na cabeça e partilhar esse vídeo nas redes sociais nomeando três outras pessoas para fazerem o mesmo", sendo o objetivo que as pessoas que estão na praia façam algum donativo.

Por cada ajuda que receber para a viagem, Luís Silva compromete-se a doar um valor semelhante a uma das associações apontadas no 'site', exceto se a própria pessoa se oferecer para o fazer.

"Se me oferecerem uma água ou uma sandes, eu comprometo-me a doar esse valor a estas associações". No caso de ninguém o ajudar no caminho, o jovem irá doar o dinheiro que gastar na viagem.

As pessoas também podem ajudar, fazendo doações às associações que estão referenciadas no 'seite' e partilhando o projeto nas redes sociais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.