Jovem com 18 quilogramas de cocaína intercetado no aeroporto de Lisboa

Produto estupefaciente seria, segundo confirmou o jovem, distribuída em Espanha

Um jovem de 20 anos que transportava uma mala com cerca de 18 quilogramas de cocaína foi intercetado hoje no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e entregue às autoridades judiciárias, informou o SEF.

Quando intercetado pelo SEF, o jovem, proveniente de um voo do Brasil e que tinha como destino Madrid, confirmou que transportava uma quantidade que desconhecia de cocaína na bagagem de porão e que esta seria distribuída em Espanha, lê-se numa nota do SEF.

Após articulação com a Autoridade Tributária e Aduaneira (ATA) foi confirmada a existência de alegado produto estupefaciente, estimando-se que pese perto de 18 quilogramas, incluindo o peso da mala, já que o produto estupefaciente está incrustado na estrutura.

Na terça-feira, o SEF intercetou igualmente no aeroporto de Lisboa outro cidadão estrangeiro, de 26 anos. Também proveniente do Brasil e com destino à capital espanhola, o cidadão admitiu que transportava junto ao corpo alguns quilogramas de substâncias estupefacientes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.