Interação entre furacão Ophelia e superfície frontal fria preocupa meteorologistas

A "interação destes dois sistemas deverá provocar muita precipitação" nos grupos central e oriental dos Açores

A interação entre o furacão Ophelia e uma superfície frontal fria nos Açores é um fator de preocupação, disse hoje o meteorologista Carlos Ramalho, da delegação regional do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

"O que nos preocupa mais neste momento em relação ao ciclone tropical [designação meteorológica que engloba tempestades tropicais e furacões de categorias 1 a 5] é a interação com uma superfície frontal que está a chegar ao grupo central", afirmou aos jornalistas Carlos Ramalho.

Segundo o meteorologista, a "interação destes dois sistemas deverá provocar muita precipitação" nos grupos central (Pico, Faial, Terceira, São Jorge e Graciosa) e oriental (Santa Maria e São Miguel), o que justificou a emissão de aviso vermelho de precipitação para as sete ilhas.

"Estamos a prever chuva que numa hora poderá ter valores superiores a 40 litros por metro quadrado" declarou Carlos Ramalho, informando que hoje, entre as 07:00 e as 08:00 locais (mais uma hora em Lisboa), na ilha do Pico "já caíram 20 litros por metro quadrado" em apenas uma hora.

Estamos a prever chuva que numa hora poderá ter valores superiores a 40 litros por metro quadrado

Questionado se a passagem de um furacão pela região é uma situação normal em outubro, Carlos Ramalho explicou que "o mês em que ocorre, com mais frequência ciclones tropicais no arquipélago dos Açores é setembro e de seguida outubro".

"Portanto, estamos dentro da época normal dos ciclones tropicais", afirmou, ressalvando que a conjugação de um furacão com uma superfície frontal fria "tem ocorrido com menos frequência" nos Açores.

Carlos Ramalho esclareceu que "nesta zona não é muito frequente" ter a superfície frontal a interagir com um ciclone tropical.

O centro do furacão Ophelia deverá estar às 18:00 de hoje a 155 quilómetros de Santa Maria, nos Açores, mas já em categoria 1 (a mais baixa), anunciou o IPMA na sexta-feira à noite.

O IPMA colocou, entretanto, as sete ilhas dos grupos oriental e central sob aviso vermelho devido à possibilidade de chuva forte.

Em São Miguel e Santa Maria o aviso vermelho vigora entre as 18:00 e as 24:00. Este é antecedido de um aviso laranja também para chuva a partir das 12:00 e por um amarelo até esta hora.

Nestas duas ilhas vigora também aviso laranja para vento (entre as 12:00 de hoje e as 06:00 de domingo) e amarelo para agitação marítima, no mesmo período, e, ainda, de trovoada ao longo da tarde e noite.

No grupo central, o aviso vermelho vigora entre as 12:00 e as 18:00 para chuva forte, mas antes está sob aviso laranja. Há ainda aviso amarelo para trovoada.

O aviso vermelho é o mais grave de uma escala de quatro e representa uma situação meteorológica de risco extremo. O aviso laranja é o segundo da escala e indica situação meteorológica de risco moderado a elevado. O aviso amarelo é o terceiro da escala e revela uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.