Inteligência Artificial consegue adivinhar orientação sexual através de uma foto

Inteligência artificial revelou ser mais eficaz do que os humanos. Estudo levanta questões sobre a ética da tecnologia de deteção facial e o potencial para violar a privacidade das pessoas

Um algoritmo de inteligência artificial desenvolvido na Universidade de Stanford, na Califórnia, EUA, conseguiu identificar, através de fotografias, e com mais precisão do que os humanos, se uma pessoa é heterossexual ou homossexual, revelou um estudo realizado naquela instituição.

Os investigadores utilizaram mais de 35 mil fotografias faciais de homens e mulheres, publicadas num site americano de encontros online. O algoritmo distinguiu corretamente a orientação sexual de 81% dos homens e 74% das mulheres, de acordo com a orientação mencionada pelos próprios no site, enquanto os humanos identificaram corretamente 61% dos homens e 54% das mulheres. A precisão do algoritmo aumentou para 91% e 83%, respetivamente, quando eram analisadas cinco imagens por pessoa.

Isto significa que "os rostos apresentam muito mais informações sobre a orientação sexual do que as que podem ser percebidas e interpretadas pelo cérebro humano", argumentam os autores do estudo, Michal Kosinski e Yilun Wang, citados pelo The Guardian.

O estudo defende que as mulheres e os homens homossexuais tendem a revelar características e expressões típicas - das fixas, como os maxilares, nariz ou tamanho da testa; às conjunturais, como o penteado.

Embora o estudo apresente limites claros, devido a não terem sido incluídas pessoas negras, transgénero ou bissexuais, as implicações sobre a inteligência artificial são vastas, levantando questões relacionadas com as origens biológicas da orientação sexual, a ética da tecnologia de deteção facial e o potencial deste tipo de software para violar a privacidade das pessoas ou ser utilizado para fins anti-LGBT.

"É certamente inquietante. Como qualquer nova ferramenta, se cair nas mãos erradas, poderá ser utilizada para propósitos ilícitos", afirmou Nick Rule, professor de psicologia da Universidade de Toronto, em declarações ao The Guardian.

"A inteligência artificial pode dizer qualquer coisa sobre qualquer pessoa, com os dados suficientes. A questão é: como sociedade, queremos saber?", afirmou Brian Brackeen, diretor executivo da empresa de reconhecimento facial, Kairos, em declarações ao mesmo jornal.

Os autores do estudo avançam ainda que a inteligência artificial poderá ser utilizada para explorar as relações entre características faciais e outros fenómenos, como pontos de vista políticos, condições psicológicas ou até mesmo a personalidade.

Trabalho coordenado por Ricardo Simões Ferreira

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?