Vodafone prevê restabelecer hoje comunicações

Empresa salvaguarda que "ainda existem muitas zonas interditadas que impedem o acesso das equipas técnicas

A Vodafone prevê repor até ao final do dia as comunicações móveis e fixas nos distritos de Braga, Guarda, Coimbra, Viseu e Aveiro, os mais afetados por interrupções devido aos incêndios, divulgou a empresa.

"A reposição do serviço está prevista até ao final do dia de hoje, desde que estejam reunidas as condições de segurança necessárias para o efeito", informou a Vodafone, aludindo às interrupções do serviço móvel e fixo "em algumas zonas dos distritos de Braga, Guarda, Coimbra, Viseu e Aveiro".

Segundo a empresa, as falhas nas comunicações foram provocadas por "cortes de fibra da rede de transporte", na sequência dos incêndios que desde domingo deflagraram em várias zonas do país.

No comunicado, a empresa salvaguarda que "ainda existem muitas zonas interditadas que impedem o acesso das equipas técnicas a fim de se perceber o impacto real nas infraestruturas da Vodafone".

O acompanhamento da situação, acrescenta, "está a ser feito de forma muito próxima e permanente através das equipas presentes nos diferentes locais afetados e coordenadas a partir do Centro de Operações de Rede -- ANOC".

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 31 mortos e dezenas de feridos, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal acionou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, no verão, um fogo que alastrou a outros municípios e que provocou 64 mortos e cerca de 250 feridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.