Ordem dos Advogados de Coimbra dá apoio jurídico às vítimas

O Conselho Regional de Coimbra da Ordem dos Advogados disse hoje que está disponível para facultar apoio jurídico às vítimas dos incêndios de grandes proporções que atingiram a região Centro desde dia 17.

"O Conselho Regional de Coimbra da Ordem dos Advogados decidiu criar uma comissão destinada a estudar a aludida temática e, bem assim, uma bolsa de advogados disponíveis para a integrar e para prestar o pertinente aconselhamento jurídico a quem o solicitar", informou.

Em comunicado, a Ordem dos advogados de Coimbra refere que a bolsa de advogados contava, no dia 19, com 11 membros inscritos.

"O Conselho Regional de Coimbra da Ordem dos Advogados, além de expressar um sentimento de pesar pelas vítimas do incêndio, pretende ainda facultar apoio às vítimas do sobredito fenómeno, designadamente contribuindo para o esclarecimento das situações jurídicas dele emergentes", justificou.

Os incêndios que deflagraram na região Centro no dia 17 provocaram 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foram dados como extintos no sábado.

Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol.

A área destruída por estes incêndios - iniciados em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, e em Góis, no distrito de Coimbra - corresponde a praticamente um terço da área ardida em Portugal em 2016, que totalizou 154.944 hectares, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna divulgado pelo Governo em março.

Das vítimas do incêndio que começou em Pedrógão Grande, pelo menos 47 morreram na Estrada Nacional 236.1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, concelhos também atingidos pelas chamas.

O fogo chegou ainda aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.

O incêndio de Góis, que também começou no dia 17, atingiu ainda Arganil e Pampilhosa da Serra, sem fazer vítimas mortais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.