Morte de ferido internado no Porto eleva número de vítimas mortais para 45

O anterior balanço da Autoridade Nacional de Proteção Civil, de sexta-feira passada, dava conta de 44 mortes na sequência dos fogos de outubro

Uma pessoa que estava internada no Hospital da Prelada, Porto, na sequência dos incêndios do dia 15 nas regiões Centro e Norte, morreu hoje, anunciou a unidade hospitalar, subindo assim para 45 o número de vítimas mortais daqueles fogos.

"É com pesar que informamos que o doente internado na Unidade de Queimados do Hospital da Prelada (Porto), transferido de Viseu na madrugada de 16 de outubro na sequência dos incêndios que deflagraram na região, não resistiu à gravidade das queimaduras", refere uma nota do Hospital da Prelada.

O anterior balanço da Autoridade Nacional de Proteção Civil, de sexta-feira passada, dava conta de 44 mortes na sequência destes fogos.

Na mesma nota, o hospital diz que uma "segunda vítima, transferida no mesmo dia, apresenta um quadro de instabilidade, mantendo-se o prognóstico reservado".

"A equipa médica do Hospital da Prelada continua a realizar todos os procedimentos necessários à melhor prestação de cuidados. Caso se justifique atualizaremos a informação", conclui.

As centenas de incêndios que deflagraram no dia 15, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram ainda cerca de 70 feridos, perto de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em junho deste ano, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

Exclusivos