Extinto o fogo em Mação

No local estão ainda 695 operacionais e 209 meios terrestres. Presidente da Câmara estima que tenha ardido cerca de 80% do concelho

O incêndio que deflagrou na quarta-feira em Mação, no distrito de Santarém, foi extinto ao início da manhã de hoje, segundo a Proteção Civil.

O fogo que começou em Aboboreira às 00:01 de quarta-feira entrou em conclusão às 06:50 de hoje, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Santarém. No local estão ainda 695 operacionais e 209 meios terrestres.

De acordo com a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), um fogo em conclusão é um "incêndio extinto, com pequenos focos de combustão dentro do perímetro do incêndio".

O incêndio em Mação foi um dos mais intensos dos últimos dias, com o presidente da Câmara a estimar que cerca de 80% do concelho tenha ardido.

"Estamos a chegar ao nosso limite e já não há muito por onde arder", afirmou Vasco Estrela à Lusa na sexta-feira à noite, estimando que as chamas tivessem consumido "entre nove a dez mil hectares de floresta", a somar aos "18 mil que já tinham ardido há duas semanas" e que deixaram Mação com 80% da área do concelho queimada.

Os danos não estão ainda quantificados, mas o presidente da autarquia temia "prejuízos económicos muito elevados na maior riqueza produtiva do concelho", para o qual reclamava "uma atenção especial".

"Seria uma injustiça inqualificável que não tivéssemos tratamento similar ao de outros concelhos afetados pelos incêndios", afirmou, reclamando que seja "reconhecido o Estado de calamidade pública" e que o município "tenha as mesmas prerrogativas que Pedrógão Grande, por exemplo, em termos de apoio do Portugal 2020".

Outros três incêndios eram destacados pela ANPC pelas 07:15, um deles, em Gavião, já dominado desde sábado à noite, mas ainda a mobilizar 438 operacionais e 132 meios terrestres.

Em curso estavam outros dois incêndios, em Ribeira de Pena (Vila Real) e na Covilhã (Castelo Branco).

Em Ribeira de Pena encontravam-se 190 operacionais e 56 veículos a combater as chamas que deflagraram em Vilarinho no sábado à tarde.

O presidente da Câmara de Ribeira de Pena, Rui Vaz Alves, definiu como prioritária a defesa das povoações mais próximas da linha de fogo e, segundo o autarca, foram preparados os meios necessários para, caso seja necessário, retirar pessoas.

Os operacionais estão a ser estrategicamente colocados junto a localidades, como Formozelos, para travar a progressão das chamas em direção à aldeia.

O incêndio lavra em mato e pinhal, numa zona de relevo difícil e com poucos acessos.

O fogo na Covilhã, com duas frentes ativas, era combatido por 220 operacionais e 65 meios terrestres.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.