Incêndios em Portugal são visíveis em imagens de satélite

Ventos fortes vindos de norte deslocam o fumo dos incêndios para sul

O fumo dos incêndios que afetam Portugal Continental é visível em imagens de satélite da NASA/Caltech. A imagem, captada segunda-feira, mostra bem as colunas de fumo que se erguem das zonas mais afetadas pelos fogos que, graças ao tempo quente e seco e ao vento forte, se multiplicam no país.

Às 14.00 desta terça-feira, mais de 600 operacionais combatem os sete maiores fogos no continente, que se registam nos distritos de Aveiro, Leiria, Viana do Castelo e Viseu.

Fonte do IPMA esclareceu ao DN que os ventos fortes, de orientação norte-sul predominantemente, estão a deslocar o fumo dos incêndios para sul.

Esta movimentação explica o fumo sobre a capital que surpreendeu os lisboetas apesar de, garantiu ao DN fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro de Lisboa, não haver registo de nenhum fogo significativo na zona de Lisboa esta terça-feira.

Imagem do IPMA às 11.00 de terça-feira onde se vê o fumo a ser arrastado do norte para o sul de Portugal

Fonte do IPMA garantiu ainda que as condições meteorológicas propícias à propagação de incêndios - temperaturas altas, humidade relativa baixa e vento forte - deverão manter-se nos próximos dias. "A partir de dia 11 a situação volta a estar como estava na última semana", acrescentou a fonte: com uma pequena descida de temperaturas mas com manutenção do tempo seco. "Portanto, a situação vai continuar complicada", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.