Dois bombeiros feridos sem gravidade no fogo de Celorico da Beira

A ANPC espera que o incêndio fique controlado durante a noite dadas as condições meteorológicas favoráveis

Dois bombeiros ficaram hoje ligeiramente feridos num incêndio no concelho de Celorico da Beira, que a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) espera estar dominado durante a noite, informou à Lusa o oficial de operações da ANPC, Paulo Santos.

O fogo, que deflagrou no sábado numa zona de mato e floresta em Cardal, na freguesia de Forno Telheiro, distrito da Guarda, "tem uma extensão muito grande" e mantém duas frentes ativas, sem ameaçar casas das localidades mais próximas, indicou o comandante.

O incêndio, que a ANPC espera controlar durante a noite dadas as condições meteorológicas favoráveis, mobilizava no terreno 160 operacionais, apoiados por 41 viaturas.

Além deste fogo, outros três incêndios significativos consumiam mato e floresta: em Pinhel, Gonçalo (Guarda) e Sernancelhe (Viseu).

No fogo de Pinhel, onde ficaram ligeiramente feridos três bombeiros, e que lavra há dois dias, uma frente ainda continuava ativa, mas poderá estar dominada durante a noite.

Com duas frentes ativas, uma delas "a desenvolver-se com alguma intensidade", mantém-se o incêndio de Seixo, concelho de Sernancelhe, cujo combate tem sido dificultado pelos maus acessos, muito embora tenham sido usados "meios aéreos pesados", assinalou Paulo Santos.

Apesar de se encontrar na "área de influência de algumas localidades", nenhuma casa está ameaçada, assegurou. A ANPC espera que o incêndio, que envolvia 160 operacionais e 43 veículos, possa estar controlado quando se aproximar da estrada EN 229.

A "evoluir favoravelmente", apesar de afetar mais meios - um total de 197 operacionais e 53 viaturas - está o fogo de Seixo Amarelo, freguesia de Gonçalo, concelho da Guarda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.