Bispo de Viseu: Calamidade vivida revela "povo incapaz de se governar"

"Agora, parece que aceitamos como inevitável que, com as florestas, ardam as aldeias, as casas", referiu o bispo de Viseu

O bispo de Viseu, Ilídio Leandro, considerou esta quarta-feira que o que se tem passado em Portugal com os incêndios florestais revela "um povo incapaz de se governar e de preservar a sua história e as suas ricas tradições".

Numa nota intitulada "Sejamos dignos da criação", Ilídio Leandro refere que o povo português é "envelhecido, sem capacidade de renovação", e que "se autodestrói, deixando queimar a natureza e destruir os bens da criação".

O prelado critica que se interiorizem "os sentimentos da 'inevitabilidade da desgraça', da 'pouca sorte' e do 'azar'", seja na época dos fogos, das cheias, das secas ou dos acidentes nas estradas.

"Agora, parece que aceitamos como inevitável que, com as florestas, ardam as aldeias, as casas... E até parece inevitável e natural a morte de dezenas e dezenas de pessoas", lamenta.

Na opinião de Ilídio Leandro, "importa acordar e recuperar as capacidades de superação dos limites que as sereias, mal-intencionadas", querem impor aos "sonhos de esperança e de libertação para a construção de um futuro melhor" dos portugueses.

"Precisamos de receber, com alegria e gratidão, de usar, com parcimónia e respeito, e de transmitir, melhorando e enriquecendo, os bens que recebemos" da natureza, acrescenta.

Neste âmbito, o bispo de Viseu considera que, tal como refere o hino de Portugal, os portugueses precisam de "lutar 'contra todos os canhões' e, na esperança, confiante, solidária e ativa, 'marchar, marchar'".

Ilídio Leandro mostra-se solidário com "todas as famílias e pessoas que sofrem, neste momento, as consequências dos terríveis acidentes provocados pelo fogo" e diz estar "unido, em oração e em saudade, a todas as pessoas que faleceram".

"Para todas as famílias e pessoas que sofrem quaisquer perdas, a minha unidade próxima, na confiança ativa e na esperança reconciliadora, convidando a que todos sejamos solidários, generosos e ativos nas necessárias e urgentes soluções", frisa.

Para todos aqueles que, ativa ou passivamente, são responsáveis por estas calamidades e as suas consequências, espera "a necessária, justa, positiva e proporcional compensação".

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 41 mortos e cerca de 70 feridos (mais de uma dezena dos quais graves), além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O Governo decretou três dias de luto nacional, até quinta-feira.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou 64 vítimas mortais e mais de 200 feridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?