Bombeiros sem receber despesas extraordinárias há quatro meses

Ministério da Administração Interna garante que o pagamento, no valor de 6,4 milhões de euros, será feito nos próximos dias

As associações de bombeiros voluntários queixam-se de estar sem receber há quatro meses as despesas extraordinárias referentes aos incêndios florestais, uma situação que o Ministério da Administração Interna diz que vai resolver parcialmente nos próximos dias.

O alerta foi dado à agência Lusa pelo presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, avançando que a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) não paga, desde junho, às associações humanitárias de bombeiros voluntários as despesas extraordinárias dos incêndios florestais e previstas na diretiva financeira.

"Não foi pago o que está incluído na diretiva financeira desde junho", lamentou Jaime Marta Soares, sublinhando que as corporações de bombeiros estão a viver "uma situação complexa e difícil".

A diretiva financeira é um documento anual que fixa os princípios norteadores do pagamento das despesas resultantes das intervenções das corporações e permite apoiar os bombeiros na reparação e reposição de veículos e equipamentos, alimentação e combustível.

Segundo Jaime Marta Soares, em causa está todo o equipamento e material afetado pelos incêndios, além dos combustíveis e despesas com alimentação.

Numa resposta enviada à Lusa, o Ministério da Administração Interna (MAI) refere que o pagamento referente aos meses de julho e agosto, no valor de 6,4 milhões de euros, será efetuado nos próximos dias.

O MAI adianta também que estão em fase de apuramento final os montantes referentes aos meses de setembro e outubro, fazendo parte destas despesas extraordinárias a reposição e reparação de viaturas e equipamentos, refeições e salários perdidos.

A LBP deu também conta à Lusa que os bombeiros voluntários que fizeram parte das Equipas de Combate a Incêndios (ECIN) no âmbito do reforço do dispositivo em outubro ainda não receberam qualquer compensação.

Jaime Marta Soares exige que o pagamento seja efetuado o mais rapidamente, uma vez que as corporações de bombeiros não têm disponibilidade financeira para avançar com a compensação, tendo já contactado o secretário de Estado da Proteção Civil, Artur Tavares Neves.

Segundo a LBP, quase 1.000 bombeiros voluntários integraram as ECIN, a partir de 09 de outubro, no âmbito do reforço do dispositivo de combate a incêndios.

Na resposta enviada à Lusa, o MAI refere que o pagamento das compensações às Equipas de Combate a Incêndios no mês de outubro, incluindo o dispositivo que estava previsto, os reforços e o prolongamento para a segunda quinzena de outubro, será efetuado nos próximos dias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.