GNR: Não há indícios de crime no incêndio no Andanças

As causas do fogo "continuam em processo de investigação" pela PJ e GNR

A GNR divulgou hoje que "não há indícios de crime" na origem do incêndio que destruiu 422 veículos e danificou parcialmente outros nove, num dos parques de estacionamento do festival "Andanças", em Castelo de Vide, Portalegre.

"A confirmação que nos foi dada pela Policia Judiciária (PJ) é que não há indícios de crime na ocorrência do incêndio. Não há indícios de mão criminosa", disse à agência Lusa o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Portalegre da GNR, tenente-coronel Carlos Belchior.

Segundo o oficial, as causas do fogo "continuam em processo de investigação" pela PJ e GNR. As autoridades terminaram hoje de manhã os trabalhos de identificação dos veículos e dos proprietários lesados.

"Todo o trabalho de identificação dos veículos e dos seus proprietários está concluído. Durante a tarde, vamos começar a contactar os proprietários para fazer a entrega formal das viaturas", disse. O tenente-coronel adiantou ainda que os peritos das seguradoras vão ter acesso aos veículos dos seus segurados, a partir da tarde de hoje.

Por enquanto, tudo aponta para que tenha sido um curto-circuito num carro a dar início ao incêndio. As primeiras pistas apontam para que apenas um carro esteja na origem, segundo apurou o DN. A confirmar-se esta causa, pode ser a seguradora desse veículo a responsável por indemnizar todos os proprietários cujos carros ficaram destruídos.

Enquanto a investigação não for dada por terminada, a Associação Portuguesa de Seguradores (APS) aconselha todos os lesados que têm seguro com cobertura de incêndio para reclamarem desde já a indemnização junto da sua seguradora. O mesmo é aconselhado a quem tinha seguros das mercadorias que ficaram destruídas. Este passo não invalida que depois de apuradas as causas as seguradoras não reclamem aos responsáveis os valores pagos aos seus clientes.

A 21.ª edição do "Andanças" - Festival Internacional de Danças Populares decorre, desde segunda-feira e até domingo, numa área de 28 hectares nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre, esperando um total de 40 mil visitantes.

O festival é promovido pela Pédexumbo - Associação para a Promoção da Música e Dança.

Na quarta-feira à tarde, um incêndio que deflagrou num dos parques de estacionamento do evento destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove, mas não causou danos pessoais.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?