GNR: Não há indícios de crime no incêndio no Andanças

As causas do fogo "continuam em processo de investigação" pela PJ e GNR

A GNR divulgou hoje que "não há indícios de crime" na origem do incêndio que destruiu 422 veículos e danificou parcialmente outros nove, num dos parques de estacionamento do festival "Andanças", em Castelo de Vide, Portalegre.

"A confirmação que nos foi dada pela Policia Judiciária (PJ) é que não há indícios de crime na ocorrência do incêndio. Não há indícios de mão criminosa", disse à agência Lusa o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Portalegre da GNR, tenente-coronel Carlos Belchior.

Segundo o oficial, as causas do fogo "continuam em processo de investigação" pela PJ e GNR. As autoridades terminaram hoje de manhã os trabalhos de identificação dos veículos e dos proprietários lesados.

"Todo o trabalho de identificação dos veículos e dos seus proprietários está concluído. Durante a tarde, vamos começar a contactar os proprietários para fazer a entrega formal das viaturas", disse. O tenente-coronel adiantou ainda que os peritos das seguradoras vão ter acesso aos veículos dos seus segurados, a partir da tarde de hoje.

Por enquanto, tudo aponta para que tenha sido um curto-circuito num carro a dar início ao incêndio. As primeiras pistas apontam para que apenas um carro esteja na origem, segundo apurou o DN. A confirmar-se esta causa, pode ser a seguradora desse veículo a responsável por indemnizar todos os proprietários cujos carros ficaram destruídos.

Enquanto a investigação não for dada por terminada, a Associação Portuguesa de Seguradores (APS) aconselha todos os lesados que têm seguro com cobertura de incêndio para reclamarem desde já a indemnização junto da sua seguradora. O mesmo é aconselhado a quem tinha seguros das mercadorias que ficaram destruídas. Este passo não invalida que depois de apuradas as causas as seguradoras não reclamem aos responsáveis os valores pagos aos seus clientes.

A 21.ª edição do "Andanças" - Festival Internacional de Danças Populares decorre, desde segunda-feira e até domingo, numa área de 28 hectares nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre, esperando um total de 40 mil visitantes.

O festival é promovido pela Pédexumbo - Associação para a Promoção da Música e Dança.

Na quarta-feira à tarde, um incêndio que deflagrou num dos parques de estacionamento do evento destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove, mas não causou danos pessoais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.