GNR: Não há indícios de crime no incêndio no Andanças

As causas do fogo "continuam em processo de investigação" pela PJ e GNR

A GNR divulgou hoje que "não há indícios de crime" na origem do incêndio que destruiu 422 veículos e danificou parcialmente outros nove, num dos parques de estacionamento do festival "Andanças", em Castelo de Vide, Portalegre.

"A confirmação que nos foi dada pela Policia Judiciária (PJ) é que não há indícios de crime na ocorrência do incêndio. Não há indícios de mão criminosa", disse à agência Lusa o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Portalegre da GNR, tenente-coronel Carlos Belchior.

Segundo o oficial, as causas do fogo "continuam em processo de investigação" pela PJ e GNR. As autoridades terminaram hoje de manhã os trabalhos de identificação dos veículos e dos proprietários lesados.

"Todo o trabalho de identificação dos veículos e dos seus proprietários está concluído. Durante a tarde, vamos começar a contactar os proprietários para fazer a entrega formal das viaturas", disse. O tenente-coronel adiantou ainda que os peritos das seguradoras vão ter acesso aos veículos dos seus segurados, a partir da tarde de hoje.

Por enquanto, tudo aponta para que tenha sido um curto-circuito num carro a dar início ao incêndio. As primeiras pistas apontam para que apenas um carro esteja na origem, segundo apurou o DN. A confirmar-se esta causa, pode ser a seguradora desse veículo a responsável por indemnizar todos os proprietários cujos carros ficaram destruídos.

Enquanto a investigação não for dada por terminada, a Associação Portuguesa de Seguradores (APS) aconselha todos os lesados que têm seguro com cobertura de incêndio para reclamarem desde já a indemnização junto da sua seguradora. O mesmo é aconselhado a quem tinha seguros das mercadorias que ficaram destruídas. Este passo não invalida que depois de apuradas as causas as seguradoras não reclamem aos responsáveis os valores pagos aos seus clientes.

A 21.ª edição do "Andanças" - Festival Internacional de Danças Populares decorre, desde segunda-feira e até domingo, numa área de 28 hectares nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre, esperando um total de 40 mil visitantes.

O festival é promovido pela Pédexumbo - Associação para a Promoção da Música e Dança.

Na quarta-feira à tarde, um incêndio que deflagrou num dos parques de estacionamento do evento destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove, mas não causou danos pessoais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)