Ilhéus gregos e "capacetes brancos" sírios entre os possíveis premiados com Nobel da Paz

O Nobel da Paz, uma das distinções que gera mais especulação, será conhecido na sexta-feira de manhã. Esta semana já foram divulgados os prémios para as categorias Medicina, Física e Química

Os habitantes de várias ilhas gregas que têm ajudado milhares de refugiados, os intervenientes no acordo nuclear iraniano, os "capacetes brancos" sírios e vários ativistas russos constam este ano entre os possíveis distinguidos com o Nobel da Paz.

A distinção será anunciada sexta-feira de manhã, em Oslo, capital da Noruega, pelo Comité Nobel norueguês, entidade que atribui o Nobel da Paz.

Numa edição sem claros favoritos, o Comité norueguês informou que recebeu este ano um número recorde de candidaturas, um total de 376.228 pessoas e 148 organizações.

No ano passado, o prémio foi atribuído ao Quarteto para o Diálogo Nacional na Tunísia, quarteto de organizações que permitiu salvar a transição democrática na Tunísia, onde decorreram os primeiros protestos da Primavera Árabe, vaga revolucionária que abalou vários países do mundo árabe em 2011.

Esta é uma das distinções que gera mais especulação e, mesmo com o secretismo que envolve o prémio, os nomes dos potenciais vencedores surgem sempre nos 'media' e nas casas de apostas.

Na edição deste ano, a Defesa Civil Síria, conhecida pelos seus característicos capacetes brancos, é uma das organizações mais mencionadas. O grupo composto por cerca de 3000 estudantes, professores, agricultores e outros voluntários está envolvido no salvamento de milhares de pessoas.

Sob o lema "Salvar uma vida é salvar toda a humanidade", o grupo opera maioritariamente em áreas controladas pelos rebeldes, mas insiste na sua neutralidade no conflito civil sírio.

O Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Timoleón Jiménez (ou Timochenko), chegaram a liderar as apostas até há poucos dias, mas a rejeição dos colombianos do acordo de paz entre Bogotá e o movimento de guerrilha, no referendo de domingo passado, diminuiu significativamente a possibilidade de uma distinção.

Em seu lugar surgiu uma lista que inclui o papa Francisco, o médico congolês Denis Mukwege, o antigo analista da Agência de Segurança Nacional (NSA) norte-americana Edward Snowden, a jovem da minoria yazidí Nadia Murad (sequestrada pelos extremistas do Estado Islâmico no Iraque), o acordo sobre as alterações climáticas alcançado em Paris ou ativista indiano Jockin Arputham.

Entre os candidatos russos destaque para Svetlana Gánushkina, responsável pela organização não-governamental de direitos humanos Memorial, que terá ajudado mais de 50 mil pessoas desde 1990.

Os negociadores do acordo nuclear iraniano também estão a ser referenciados. Os diplomatas responsáveis pelo acordo de julho de 2015 -- nomeadamente o secretário de Estado norte-americano John Kerry e os seus homólogos iraniano e na União Europeia (UE) Javad Zarif e Federica Mogherini, respectivamente -- já tinham sido apontados por alguns analistas para a edição do ano passado do Nobel da Paz.

A ativista e advogada chechena Lidia Yusupova continua a ser um nome em destaque entre os possíveis laureados.

Lidia Yusupova foi distinguida em 2005 com o prémio de direitos humanos da fundação norueguesa Rafto. Anteriores vencedores do Rafto como a birmanesa Aung San Suu Kyi, o ex-Presidente de Timor-Leste José Ramos Horta e a advogada iraniana Shirin Ebadi foram laureados anos depois com o Nobel da Paz.

Os habitantes das ilhas gregas que têm estado na linha da frente na ajuda aos milhares de migrantes e refugiados que procuram refúgio na Europa também têm sido mencionados. Um desses rostos é Emilia Kamvisi, de 85 anos, oriunda da ilha Lesbos, que foi fotografada a dar um biberão a um bebé sírio.

Ainda sobre a crise migratória na Europa, e devido às posições que tem assumido em defesa dos refugiados, o nome da chanceler alemã, Angela Merkel, também figura entre os potenciais distinguidos.

Nos últimos 50 anos, o Comité Nobel norueguês nunca confirmou publicamente os nomes dos eventuais candidatos ao Nobel da Paz.

Os prémios Nobel nasceram da vontade do químico, engenheiro e industrial sueco Alfred Nobel (1833-1896) em doar a sua imensa fortuna para o reconhecimento de personalidades que prestassem serviços à humanidade.

O inventor da dinamite expôs este desejo num testamento redigido em Paris em 1895, um ano antes da sua morte. Os prémios foram atribuídos pela primeira vez em 1901.

Esta semana já foram divulgados os prémios para as categorias Medicina, Física e Química.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.