Ilha Terceira homenageia forcados com monumento

Escultura representa uma pega de caras e tem 4 metros de altura e 7 de comprimento. Monumento será inaugurado dia 24, em frente à Praça de Toiros Ilha Terceira

A figura dos populares e admirados forcados terá ainda um maior protagonismo na Feira das Sanjoaninas, que começa no próximo domingo na açoriana Ilha Terceira, onde serão homenageados com diversos atos carregados de significado e emotividade.

O mais importante será a inauguração, no próprio dia 24 de Junho, em frente à Praça de Toiros Ilha Terceira, do Monumento ao Forcado, que se decidiu erigir coincidindo com o 45.º aniversário da fundação do Grupo de Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense, que se cumpre este ano.

O referido monumento, um dos poucos dedicados a este tipo de artista taurino, é uma escultura do terceirense José João Dutra que recreou o espetacular momento de uma pega de caras de um grupo de forcados, sobre uma estrutura de ferro revestida de fibra de vidro e resina de poliéster.

Com os seus 4 metros de altura e 7 metros de comprimento, o monumento situar-se-á muito próximo daquele que, em 2011, também se erigiu na ilha dedicado ao toiro bravo. Ainda hoje é o maior de todos os existentes no mundo com cerca de 11 metros de altura.

A inauguração do grupo escultórico será o prólogo à celebração da primeira corrida da Feira de São João, um festejo de toureio a cavalo com toiros de Ascensão Vaz e João Gaspar no qual, noutro ponto alto assinalado, se despedirá das arenas, após dezassete anos de comando, o atual Cabo do Grupo da Tertúlia Tauromáquica Terceirense, Adalberto Belerique.

Já no Concurso de Ganaderias, anunciado para sexta-feira dia 29, os Forcados da Tertúlia alternarão com os norte-americanos de Merced, uma das muitas comunidades açorianas existentes no Estado da Califórnia, onde se celebra uma grande quantidade de espetáculos taurinos incruentos.

A 1 de julho, no encerramento da Feira, terá lugar a atuação dos Forcados do Ramo Grande, o outro grupo existente na Terceira, que se encarregarão de pegar os dois toiros de José Albino Fernandes destinados na corrida mista ao cavaleiro Vítor Ribeiro.

A figura do Forcado, tão respeitada e admirada em terras portuguesas, assumiu este ano uma especial relevância internacional, ao conhecer-se que a grande estrela portuguesa do futebol, Cristiano Ronaldo, contratou os serviços de Nuno da Cruz, Cabo dos Amadores de Chamusca, como guarda-costas pessoal durante o Campeonato do Mundo que se está a celebrar na Rússia

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?