Ilha Terceira homenageia forcados com monumento

Escultura representa uma pega de caras e tem 4 metros de altura e 7 de comprimento. Monumento será inaugurado dia 24, em frente à Praça de Toiros Ilha Terceira

A figura dos populares e admirados forcados terá ainda um maior protagonismo na Feira das Sanjoaninas, que começa no próximo domingo na açoriana Ilha Terceira, onde serão homenageados com diversos atos carregados de significado e emotividade.

O mais importante será a inauguração, no próprio dia 24 de Junho, em frente à Praça de Toiros Ilha Terceira, do Monumento ao Forcado, que se decidiu erigir coincidindo com o 45.º aniversário da fundação do Grupo de Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense, que se cumpre este ano.

O referido monumento, um dos poucos dedicados a este tipo de artista taurino, é uma escultura do terceirense José João Dutra que recreou o espetacular momento de uma pega de caras de um grupo de forcados, sobre uma estrutura de ferro revestida de fibra de vidro e resina de poliéster.

Com os seus 4 metros de altura e 7 metros de comprimento, o monumento situar-se-á muito próximo daquele que, em 2011, também se erigiu na ilha dedicado ao toiro bravo. Ainda hoje é o maior de todos os existentes no mundo com cerca de 11 metros de altura.

A inauguração do grupo escultórico será o prólogo à celebração da primeira corrida da Feira de São João, um festejo de toureio a cavalo com toiros de Ascensão Vaz e João Gaspar no qual, noutro ponto alto assinalado, se despedirá das arenas, após dezassete anos de comando, o atual Cabo do Grupo da Tertúlia Tauromáquica Terceirense, Adalberto Belerique.

Já no Concurso de Ganaderias, anunciado para sexta-feira dia 29, os Forcados da Tertúlia alternarão com os norte-americanos de Merced, uma das muitas comunidades açorianas existentes no Estado da Califórnia, onde se celebra uma grande quantidade de espetáculos taurinos incruentos.

A 1 de julho, no encerramento da Feira, terá lugar a atuação dos Forcados do Ramo Grande, o outro grupo existente na Terceira, que se encarregarão de pegar os dois toiros de José Albino Fernandes destinados na corrida mista ao cavaleiro Vítor Ribeiro.

A figura do Forcado, tão respeitada e admirada em terras portuguesas, assumiu este ano uma especial relevância internacional, ao conhecer-se que a grande estrela portuguesa do futebol, Cristiano Ronaldo, contratou os serviços de Nuno da Cruz, Cabo dos Amadores de Chamusca, como guarda-costas pessoal durante o Campeonato do Mundo que se está a celebrar na Rússia

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.