Ikea avisa: Não passem a noite nas nossas lojas

Já se registaram cerca de 10 situações em vários países, o que levou a empresa a avisar que não pode garantir a segurança dos incumpridores

Quem decidir passar a noite dentro de uma loja Ikea poderá ter problemas com a justiça. O aviso é feito pela própria empresa sueca depois de se terem registado vários situações de adolescentes e jovens que conseguiram enganar a segurança e dormir nas lojas.

Um dos casos registou-se na Bélgica, em agosto. Dois adolescentes passaram a noite no interior de uma loja e filmaram tudo, depois de se terem escondido num roupeiro. O vídeo que mostra a aventura de "dois idiotas à noite no Ikea" está no YouTube e já foi visto quase dois milhões de vezes.

Mas já antes se haviam registado situações semelhantes, noutras lojas e noutros países. Segundo a porta-voz da empresa sueca, citada pela agência noticiosa Associated Press, houve pelo menos 10 incidentes nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Holanda, Japão, Austrália e Polónia.

No passado fim de semana, duas adolescentes de 14 anos fizeram o mesmo em Malmo, na Suécia, e foram apanhadas. Por serem tão novas, a empresa não apresentou queixa na justiça, e tentou resolver a questão com a família. Mas deixou o aviso: quem o fizer no futuro está a invadir propriedade privada e pode ter problemas legais.

No YouTube multiplicam-se os vídeos deste tipo de situações, que se transformou num desafio: passar 24 horas no Ikea. A empresa diz não perceber a piada de passar a noite numa loja.

Contactada pelo DN, a IKEA Portugal informou que não tem registo de um caso deste género em Portugal.

"De qualquer forma, ficamos contentes por saber que as pessoas se interessam pela IKEA e procuram ter novas experiências nas nossas lojas", acrescenta a empresa. "No entanto, a segurança é uma prioridade para a IKEA. Após o horário de funcionamento da loja não conseguimos assegurar a segurança das pessoas e, por isso, não permitimos este tipo de atividades".

Artigo alterado. Atualizado com a resposta do IKEA Portugal

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".